RIBEIRO ROCHA JULIO 
DEUS ME CUROU DE UMA GASTRITE
DEUS ME CUROU DE UMA GASTRITE

 

Durante 22 anos sofri com uma gastrite. Por mais de vinte vezes fui ao pronto-socorro do Hospital Central da Polícia Militar.

No início da enfermidade,  os médicos mandavam me aplicar uma injeção de Antak, também conhecida por Ranitidina. É um medicamento anti-ulceroso indicado no tratamento de problemas de estômago, como úlceras gástrica e duodenal, esofagite de refluxo, gastrite e duodenites.

Já perto dos 22 anos padecendo com aquela enfermidade, os médicos mandavam me aplicar uma injeção de Antak no início, ficando entre três a quatro horas internado, e aplicavam-me outra injeção de Antak. E eu ficava sofrendo no meu lar, entre quatro ou cinco dias, mas a gastrite doía direto. Não me dava mais sossego.

Às madrugadas, desde que me converti, não relaxo o meu dever de buscar o meu Deus, adorando-O, agradecendo-O e fazendo-Lhe as minhas petições.

De joelho, com a testa no piso do nosso quarto, eu chorava e clamava a Deus para me curar daquela terrível enfermidade. Mas a cura não acontecia. Aflito, passei a dizer a Deus: “Inclina Teus ouvidos, como pediu o Teu servo Davi.” Ouvi-me, em nome de Jesus. E nada!

Certa madrugada, às 03:00 horas, uma violenta dor estranha abaixo do braço esquerdo à altura da cintura deixou-me em gemido e lágrimas. Não chamei minha querida esposa.

Naquela madrugada, com aquela dor estranha, não orei, pois só me lamentava e as lágrimas inundavam o piso.

A dor sumiu quando o dia estava quase chegando.

 Na madrugada seguinte, à hora costumeira de orar, a mesma dor chegou com mais violência. Também não acordei minha querida esposa.

Ajoelhei-me. Com a testa no piso. Desta vez, orei. E em prontos, eu coloquei a mão sobre a região que me doía, e disse: “EM NOME DE JESUS, SAI.”  Antes de terminar a oração, a dor sumiu.

Um fato, porém, chamou-me à atenção, pois fazia uns três dias antes daquelas duas madrugadas que a gastrite não me atacava, e isto levou-me a crer que Deus já me havia curado. AMÉM!