RIBEIRO ROCHA JULIO 
JESUS FOI CONTADO COMO MALDITO
JESUS FOI CONTADO COMO MALDITO

 

O Senhor Deus, que é misericordioso e tremendo em Suas decisões, viu a perdição do Seu povo escolhido – os judeus. Este povo abraçou coisas opostas à vontade celestial.

Por Seu povo santo Deus fizera de tudo, a fim de reconduzi-lo aos caminhos retos do Senhor.

Contudo, muitos daquele povo buscavam as trevas, deixando a luz (João 1:4-5). E viu Deus que a perdição cobria a terra. E não havia quase ninguém na luz.

Daí, o nosso Pai Celestial e Eterno tomou uma decisão. E mandou o Seu Filho Unigênito ao mundo, com a missão de salvar as ovelhas perdidas da Casa de Israel.

De início, Deus mandou o Seu amado Filho tão-somente às ovelhas perdidas da Casa de Israel, conforme nos esclarece a Bíblia Sagrada. E assim está escrito:

Um Anjo do Senhor apareceu a José, em sonho, dizendo:

 “...José, filho de Daví, não temas receber a Maria tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo;  E dará à luz um filho e chamarás o seu nome Jesus; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.” (Mateus 1:20-21)

Jesus mandou os seus doze discípulos, de dois em dois, às ovelhas perdidas da casa de Israel, dizendo-lhes:

Não ireis aos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos; mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel; e indo, pregai, dizendo: É chegado o reino dos céus.” (Mateus 10:5-7)

Mais uma vez Jesus diz para quem veio.

Jesus se dirigia às regiões de Tiro e Sidom (Mateus 15:21)

Indo Jesus com os seus discípulos, “...eis que uma mulher cananéia, provinda daquelas cercanias, clamava, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de mim, que minha filha está horrivelmente endemoninhada.” (Mateus 15:22)

Jesus não respondeu à cananéia.

Contudo ele não lhe respondeu palavra. Chegando-se, pois, a ele os seus discípulos, rogavam-lhe, dizendo: Despede-a, porque vem clamando atrás de nós.” (Mateus 15:23)

Jesus respondeu aos discípulos.

Não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.” (Mateus 15:24)

A cananéia clamou a Jesus, conforme está escrito em Mateus, capítulo 15, versículo 25, que diz:

Então veio ela e, adorando-o, disse: Senhor, socorre-me.”

Jesus respondeu à cananéia.

Não é bom tomar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos.”

         A mulher replicou-Lhe:

Sim, Senhor, mas até os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus donos.” (Mateus 15:27)

         Jesus, cheio de misericórdia, disse-lhe:

Ó mulher, grande é a tua fé! seja-te feito como queres. E desde aquela hora sua filha ficou sã.” (Mateus 15:28)

Deus, que é onisciente, sabia que os judeus rejeitaria a luz (Seu Filho amado) que desceria do Céu, conforme podemos observar nos textos bíblicos.

VEJAMOS:

Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens; a luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela.” (João 1:4-5)

Esta passagem bíblica se refere à vinda do Filho do Homem, nosso amado Jesus. Que fora anunciada por João Batista, conforme nos esclarece as Sagradas Escrituras, que diz:

“Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João. Este veio como testemunha, a fim de dar testemunho da luz, para que todos cressem por meio dele. Ele não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz.” (João 1:6-8)

A luz que o mundo desprezou.

Pois a verdadeira luz, que alumia a todo homem, estava chegando ao mundo. Estava ele no mundo, e o mundo foi feito por intermédio dele, e o mundo não o conheceu.” (João 1:9-10)

“Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha  vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.” (João 3:15-18)

Como acabamos de lê, o mundo, que vive cego no entendimento, não compreende estas coisas. E caminha pela estrada larga, que tem a porta espaçosa.

MISERICÓRDIA, SENHOR! MISERICÓRDIA!