RIBEIRO ROCHA JULIO 
Cap 7 - OS PRIMEIROS FILHOS DE ADÃO E EVA
Cap 7 - OS PRIMEIROS FILHOS DE ADÃO E EVA

 

“E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu, e teve a Caim, e disse: Alcancei do SENHOR um varão.  E teve mais a seu irmão Abel; e Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra.” (Gn 4.1-2)

As oferta dos dois irmãos

Diz o texto sagrado, que ao cabo de dias, Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor (Gn 4.3), e Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas e da sua gordura; e atentou o Senhor para Abel e para a sua oferta (Gn 4.4), porém, o Senhor Deus para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente, e descaiu-lhe o seu semblante (Gn 4.5).

Ora, Abel ofertou o melhor do rebanho ao Senhor, mas Caim fez o contrário.

O Senhor Deus falou com Caim, dizendo-lhe:

 “... Por que te iraste? E por que descaiu o teu semblante? Se bem fizeres, não haverá aceitação para ti? E, se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e para ti será o seu desejo, e sobre ele dominarás.” (Gn 4.6 e 7)

O diabo colocou inveja no coração de Caim, por causa da aceitação do Senhor pela oferta de Abel.

O primeiro homicídio

A terra abriu a boca e bebeu o sangue de Abel, que fora assassinado por seu irmão Caim, conforme  o versículo 8, do mesmo capítulo 4, que descreve: “E falou Caim com o seu irmão Abel; e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel e o matou.”

O primeiro interrogatório

E disse o SENHOR a Caim: Onde está Abel, teu irmão? E ele disse: Não sei; sou eu guardador do meu irmão? E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão clama a mim desde a terra.”(Gn 4.9-10)

A primeira sentença condenatória

O Senhor Deus disse a Caim  que “...Agora maldito és desde a terra, que abriu a sua boca para receber da tua mão o sangue do teu irmão (Gn 4.11)Quando lavrares a terra, não te dará mais a sua força; fugitivo e errante serás na terra (Gn 4.12)”

Caim lamenta e faz uma interpretação errada, dizendo:

Então, disse Caim ao SENHOR: É maior a minha maldade que a que possa ser perdoada. Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua face me esconderei; e serei fugitivo e errante na terra, e será que todo aquele que me achar me matará.” (Gn 4.13-14)

O Senhor nosso Deus guardou a vida de Caim, e proferiu sentença para quem o matasse, dizendo: “Portanto, qualquer que matar a Caim sete vezes será castigado. E pôs o Senhor um sinal em Caim, para  que não o ferisse qualquer que o achasse. (Gn 4.15)