RIBEIRO ROCHA JULIO 
O CAMINHO DA SALVAÇÃO ETERNA
O CAMINHO DA SALVAÇÃO ETERNA

O  próprio  Jesus  diz  “Eu  sou  o caminho, e a verdade e a vida.

Ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (João 14.6)

O caminho não é um lugar por onde pisamos. Jesus fala do caminho da salvação eterna para aquele que nEle crer (João 3.16; João 1.12b; Marcos 16.16), pois ninguém chegará a Deus se não for através de Jesus, visto que foi Ele quem morreu para salvar o pecador arrependido da maldição da lei. As nossas orações só chegarão a Deus através de Jesus, pois o próprio Jesus disse: “E tudo quanto pedirdes em meu nome eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho.” (João14.13)

Jesus diz que Ele mesmo atende, isto porque no Evangelho de São João, capítulo 10, versículo 30, disse Jesus: “Eu e o Pai somos UM.”

SEMELHANTEMENTE, são os membros da verdadeira igreja de Jesus, visto que todos são um (1ª Coríntios 12: 12-27)

O amor de Deus pelo mundo

Porque Deus amou o Mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigénito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3.16)

Um amor incomparável, porque Deus amou com abrangência; Deus amou o mundo com tão grande amor! Foi um amor sem explicação como jamais visto, que foi de tal maneira, dando ao mundo o seu Único Filho, tornando-O a única esperança para aquele que nele crer.

Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele.” (João 3:17).

Não obstante,  poucos do mundo são salvos, posto que as coisas deliciosas oferecidas pelo mundo deixam o ser humano prisioneiro de suas próprias paixões, porém, o destino final é o tormento eterno,  se o pecador não se arrepender dos erros antes da morte física (Lucas 16:19-31)  

Os caminhos da salvação e da perdição

O senhor Jesus apresentou dois caminhos, que levam à perdição ou à salvação eterna, conforme Mateus, capítulo 7, versículos  13 e 14, que descreve:

Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; 
E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.” (Mateus 7.13-14) – grifo nosso.

Jesus apresentou dois caminhos e duas portas.  Uma porta larga, e o caminho que conduz a ela é espaçoso; um caminho bom para pisar, porém, o destino final não é nada bom.

Esta caminhada é em vida física, podendo o ser humano mudar de porta e caminho, arrependendo-se dos seus erros, inclusive o de haver apostatado da fé “....dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios." (1Timóteo 4:1)

O rei Salomão, na sua sabedoria, fala sobre o caminho da morte,  em Provérbios, capítulo 14, versículo 12, que diz:

Há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.” (Provérbios 14.12). Os caminhos citados neste versículo, são os caminhos da morte física e da morte espiritual.

O homem faz tudo errado achando que está certo, e assim não faz  a vontade de Deus; e, por tal caminho anda o homem vivo fisicamente, porém, morto espiritualmente. Após a morte física, padecerá o homem atormentado nas chamas que nunca se apagarão (Lucas 16:24), para cujo lugar, infelizmente, vai a maioria da humanidade. Este é um caminho,  que não tem volta.

Enquanto o ser humano tem vida física, pode buscar a porta e o caminho que leva o pecador arrependido  à vida eterna.

Estas coisas ocorrem em vida, pois no livro de Hebreus, capítulo 9, versículo 27, diz:

E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo” (Hebreus 9:27)

Os que permanecem na porta larga,  e no caminho espaçoso, que se deleitaram  ou se deleitam com as coisas oferecidas pelo deus deste século, cujo deus é satanás, o qual  cega os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do Evangelho da Glória de Cristo, que é a imagem de Deus (2 Coríntios 4:3-4)

Deste modo, só entrará no Reino de Deus aqueles que andam pelo caminho apertado e a porta estreita.

O caminho que leva à vida eterna é cheio de obstáculos, enquanto o outro é espaçoso e bem limpo; contudo, quem anda por tal caminho, pode mudar para o caminho que leva à vida eterna, pelo qual andam os que creem só em Jesus, que creem num só Deus (1 Timóteo 2.5); que ama a Jesus e guardam os Seus mandamentos (João 14.15).

“Todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós por Ele.”

Aqui, são Paulo se refere aos salvos em Cristo Jesus, os quais enquanto vivem neste globo, que se chama terra, andam pelo caminho apertado e a porta estreita (Mateus 7:14)

A porta que salva

No Evangelho de João, capítulo 10, versículo 9, Jesus disse que é a porta que salva, conforme está escrito:

“Eu sou a porta;  se  alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.” (João 10.9)

Jesus se compara com uma porta; nos dois casos  - caminho e porta -, que vimos no capítulo anterior, o Salvador Jesus usa uma metáfora, que é uma figura de linguagem. Jesus explicou com mais clareza dizendo que o caminho é Ele e que a porta é Ele.

Jesus bate na porta

Na sétima carta à Igreja de Loadicéia, Jesus diz que bate na porta do pecador, conforme descreve o texto sagrado: 

Eis que estou à porta, e bato: se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.” (Apocalipse 3.20)

Mais uma vez, Jesus usa outra metáfora, pois a porta é o coração do pecador. Jesus não quer perder um, porém, perde muitos, visto que os prazeres oferecidos pelo deus deste século afasta o ser humano de Deus. O pecado afasta Deus do homem, pois Deus se aborrece com todos os que praticam o mal (Salmos 5.5). O mal é tudo quanto provoca a ira de Deus, posto que o ser humano tem prazer em operar em erros e não perde oportunidade.

Cristo é o Sumo Pastor (1 Pedro 5.4), e também é a cabeça de Sua verdadeira Igreja (Efésios 1:22 e 5:23; Colossenses 1:18); cujos membros são o Seu corpo (1 Coríntios 12:12-26). 

No mesmo capítulo, 12, versículos 27, diz que salvos são o corpo de Cristo, pois assim está escrito: “Ora vós sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular.”

Lamentavelmente, Jesus Cristo é rejeitado por muitos, porém, poucos O recebem e creem no Seu santo nome.

O Rei Jesus foi rejeitado

pelos judeus

O Senhor Deus, que é misericordioso e tremendo em Suas decisões, viu a perdição do Seu povo escolhido – os judeus. Este povo abraçou coisas opostas à vontade celestial.

Por Seu povo santo Deus fizera de tudo, a fim de reconduzi-lo aos caminhos retos do Senhor. Porém, o povo de Deus buscava as trevas, deixando a luz (João 1:4-5). E viu Deus que era grande a perdição do Seu povo escolhido. E não havia quase ninguém na luz.

A vida estava em Jesus, e a vida era e é a luz dos homens, pois Jesus é doador da salvação eterna.

Daí, o Senhor Deus mandou o Seu Filho Unigênito ao mundo, a fim de “... salvar o seu povo dos seus pecados  (Mateus 1:20-21)-grifo nosso.

No Evangelho de João, capítulo 1, versículo 11, diz:  “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.” 

 Quem veio para o era Seu foi Jesus, cujo povo de Jesus era os israelitas – os judeus -, os quais rejeitaram o seu Rei. O povo de Israel, o povo escolhido de Deus, rejeitou o Messias Prometido. Eles  não conheceram o Salvador Jesus como “Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz (Isaías 9.6)

Mesmo rejeitado e perseguido, Jesus não desistiu das ovelhas perdidas da casa de Israel, pois Ele  mesmo diz para quem veio, conforme Mateus, capítulo 15, versículo 24, que descreve: “Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.” 

Durante os 3 anos e 6 meses do ministério de Jesus, Ele fez curas, prodígios e maravilhas. Foram muitos os milagres feitos por Jesus; Ele dizia ser o Filho de Deus, como realmente  O é. Os judeus, com inveja, tornaram-se inimigos de Jesus, tentavam matar o Seu Rei, pegavam em pedras para apedrejá-lo, e assim, perseguiram a Jesus durante todo o Seu ministério.

Os judeus tinham tanto ódio de Jesus, que exigiram de Pilatos que Jesus fosse crucificado no lugar de um  perigoso malfeitor chamado Barrabás, cujo pedido foi considerado por Pilatos, que condenou  o Salvador Jesus. Porém, o  próprio Pilatos concluiu que os judeus tinham inveja de Jesus.

O propósito de Deus na vida de um

povo que não era Seu

Com a rejeição de Jesus pelas ovelhas perdidas da casa de Israel, o Senhor Nosso Deus, que é bondoso e rico em misericórdia, abriu as portas do Céu para todos que receberem o Salvador Jesus e crerem no Seu santo nome, conforme, os versículos 12 e 13, do mesmo capítulo 1, de João, que descreve: 

Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de SEREM FEITOS FILHOS DE DEUS; aos que creem no seu nome; Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus.”

A rejeição de Cristo tem sido universal – pelo mundo inteiro -, contudo, alguns O receberam  e continuam recebendo o Salvador, crendo no seu santo nome, tornando-se Filhos de Deus. – comentário do Novo Testamento, aplicação pessoal.

“...deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus.”

Jimmy Swaggart, autor da Bíblia de Estudo do Expositor, diz que “... constitui uma das promessas mais importantes na Palavra de Deus.”

“...aos que creem no seu nome...” – “só a Fé em Cristo e no que Ele fez por nós na Cruz pode tornar uma pessoa num filho ou filha de Deus.”- diz o comentarista.

O ser humano se tornará Filho de Deus não por nascimento natural, pois trata-se de nascimento espiritual; e receberá todas as bênçãos espirituais, conforme está escrito: “Bem-dito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo.” (Efésios 1.3)

Crer com o coração e confessar com a boca

“Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.  Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido.” (Romanos 10.10)

Crer no Senhor Jesus, pois “Há um só Senhor, uma só fé, um só  batismo;” (Efésios 4.5)

Não existindo, portanto, outra fé, nem outro Redentor, nem outro batismo, senão aquele batismo que ocorre depois do crer. O batismo após a salvação do pecador (Marcos 16.15-16)

O crer não é pela emoção, mas pela razão, pelo raciocínio, pelo convencimento do Espírito Santo (João 16.7-11)

O pecador arrependido crendo no Senhor Jesus será justificado por Deus, fazendo-se como uma criança (Mateus 18.3), tendo os seus pecados lavados por Jesus, que nos ama, e em seu sangue nos levou dos nossos pecados (Apocalipse 1.5b)

O pecado afasta o pecador da glória de Deus

No livro de Romanos, capítulo 3, versículos 22, diz “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.”

Porém, sendo justificados gratuitamente pela Sua graça (a graça de Deus), pela redenção que há em Cristo Jesus (Romanos 3. 24); ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no Seu sangue, para demonstrar a Sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos sob a paciência de Deus (Romanos 3.25); e, para demonstração de Sua justiça (a justiça de Deus) neste tempo presente, para que Ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus (Romanos 3.26). E  assim,  crê  no  Senhor Jesus Cristo, e serás salvo, tu e a tua casa. (Atos 16.31), visto que não há outro que passamos crer.

Propiciação: Ato ou efeito de propiciar. Sacrifício.

Remissão: O perdão dos pecados.

O pecador precisa nascer de novo

O texto sagrado diz que um homem fariseu, chamado Nicodemos, que era príncipe dos judeus, foi à noite ter com Jesus; Nicodemos disse a Jesus: “Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus: porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele.”  (João 3.1-2)

Nicodemos estava curioso para conhecer Jesus, e externou a sua própria opinião a respeito de Jesus, e sabia que Ele não era uma pessoa comum, posto que Jesus fazia muitos sinais miraculosos. Ele sabia que Jesus viera de Deus.

Se  Jesus fosse terrestre, teria ficado envaidecido com o elogio de Nicodemos, mas o Salvador não veio para ser servido, conforme Mateus, capítulo 20, versículo 28, que descreve:

...o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos.”

 Então, Jesus esclareceu a Nicodemos sobre o novo nascimento, conforme o texto sagrado de João, capítulo 3, versículo 3, que diz:

 “Na verdade,  na verdade  te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.”

Nicodemos, que era um líder religioso judeu e fariseu, estranhou aquela história de nascer de novo,  e indagou de Jesus:

“Como pode um homem nascer, sendo velho? Porventura pode tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?” (João 3.4)

Por fim, Jesus tira as dúvidas de Nicodemos, dizendo-lhe:

“Na verdade, na verdade, te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus.” (João 3.5) 

Nascer de novo refere-se a um nascimento espiritual, que é o batismo da salvação eterna. Nicodemos não havia recebido esse batismo; e, por não entender as coisas celestiais, ele achou que se tratava de um nascimento físico; Ele, porém, estava enganado e não entendia sobre as coisas do Reino de Deus.

O imenso amor de Deus pelo mundo

“Porque Deus amou o Mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pareça, mas tenha a vida eterna.” (João 3.16)

Deus enviou o Seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele (João 3.17). Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado; porquanto não crê no nome de Unigênito Filho de Deus (João 3.18).

A condenação é esta, conforme o versículo 19, que diz: “Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más.” Esta referência é sobre homens e mulheres – o ser humano.

 Todas as pessoas do mundo estão debaixo do julgamento de Deus, devido o pecado, inclusive muitos que se dizem salvos, e não o são. E um dos maiores pecados é não crer no Filho Unigênito de Deus.

Diz o comentarista que a única forma de escapar da condenação é crer em Jesus Cristo, o Filho de Deus. E crendo só nele!

Tendo fé só em Jesus, pois está escrito na 1ª Carta de Paulo à Igreja do Senhor, que estava em Corinto, capítulo 13, versículo 13:

“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e a caridade, estas três, mas a maior destas é a caridade.”

 Primeiro vem o crer, seguindo-se o batismo

No momento que Jesus retornaria ao Pai, apareceu, pela última vez, aos seus discípulos, ordenando-lhes:

“...Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura.  Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.” (Marcos 16.15-16) Veja que o texto sagrado é bem claro: primeiro vem o crer.

Esta é a ordem de Jesus para os que conhecem as Escrituras; ordem porque os dois verbos estão no imperativo: “IDE”, do verbo  ir, e “PREGAI”, do verbo pregar.

O batismo é depois do crer. Crer no Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo; o Evangelho da Maravilha Graça; a graça que transforma o pecador em templo de Deus, morada do Espírito Santo, e santo (1 Coríntios 3.16-17).

Conforme diz o texto sagrado, primeiro vem o CRER, seguindo-se o batismo. O versículo 15, do capítulo 16, do MARCOS, deixa claro “QUEM CRER E FOR BATIZDO SERÁ SALVO”. E completando o texto do versículo 16, diz: “MAS QUEM NÃO CRER SERÁ CONDENADO.”  

Jesus é o único que salva 

E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” (Atos 4.12) 

Sem está em Jesus não há salvação

Jesus disse: “EU SOU a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador. Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá  fruto, para que dê mais fruto.” (João 15.1-2)

Jesus, usando uma metáfora, compara-se com um pé de uva, a fim de explicar as coisas Celestiais. Quem tira a vara é o Pai, jogando-a fora.

Itamir Neves, comentarista bíblico, diz que “a metáfora que apresenta a videira e dos ramos nos mostra o relacionamento orgânico e de total dependência que os ramos devem ter com a própria videira.”

Continuando, diz Itamir Neves que: “é desejo do Senhor Jesus que todo verdadeiro discípulo seja frutífero em seus relacionamentos.”

Neste texto sagrado, Jesus é a videira e Deus é o agricultor. No versículo 5, do mesmo capítulo 15, Jesus amado diz:

 “Estai em mim, e eu em vós como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não estiver na videira, assim também vós, se não estiverdes em mim.”

Aqui, quer dizer que a vara são os que se convertem, deixando todos os seus erros doutrinários e outros, os quais (homens e mulheres) estão em Jesus e Jesus neles, considerando que sem Jesus o ser humano está perdido.

O relacionamento dos salvos com Jesus deve ser permanente, e assim dão bons frutos. O senhor Jesus quer que os  salvos se relacione com o Pai, o Filho e o Espírito Santo.

Jesus (a videira) subiu  ao Céu, mas a sua Palavra ficou, e é anunciada no tempo, fora do tempo, em todo o lugar e a toda criatura (Marcos 16.15).

Jesus vem arrebatar a

sua verdadeira Igreja

A segunda  vinda  de Jesus, o Grande Pastor (Hebreus 13.20), está dividida em duas fases conforme o veremos nos textos, que se seguem.

Na 1ª Epístola de São Paulo dirigida à igreja do Senhor que estava em Corinto, ele se apresenta como apóstolo  de Jesus Cristo, pela vontade de Deus. E é por revelação de Deus que Paulo no capítulo 15, da mesma Epístola, versículos 51 e 52,  descreve:

“Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, MAS TODOS SEREMOS TRANSFORMADOS. Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.” 

A última trombeta soará, e com muita velocidade, pois é num abrir e fechar de olhos, ocorrerá o arrebatamento dos  santos – mortos e vivos – de maneira invisível, pois nenhum olho o verá, sendo, portanto, diferentemente da segunda fase da segunda vinda de Jesus, que todo olho o verá (Apocalipse 1.7).

Na 1ª Epístola aos Tessalonicenses, capítulo 4, versículo 14, diz: “Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também, aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele.”

Os que estiverem vivos para vinda do Senhor não precederão os que dormem. (1ª Tessalonicenses 4.15)

Jesus descerá do Céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro (1ª Tessalonicenses 4.16)

E assim, todos que dormem em Jesus,  de Abel até aquele grandioso momento, ressuscitarão.

O encontra será nos ares

Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; E OS QUE MORRERAM EM CRISTO RESSUSCITARÃO PRIMEIRO. Depois nós, os que ficarmos  vivos,  seremos  arrebatados  juntamente  com  eles nas nuvens, A ENCONTRAR O SENHOR NOS ARES, e assim estaremos sempre com o Senhor.  (1 Tessalonicenses 4.16 e 17) – grifo nosso.

Do pastor Elinaldo Renovato, que é ministro do Evangelho do Nosso Senhor Jesus Cristo, escritor do Livro o Final de Todas as Coisas – Esperança e Glória para os Salvos, página 61, destacamos:

“Diante dessa realidade espiritual tão profunda, todo crente que espera a volta de Jesus, deve estar preparado a cada dia, a cada instante. Ao deitar, o crente, jovem ou adulto, precisa estar com sua “bagagem” espiritual pronta, pois, quando, “a trombeta de Deus” tocar anunciando a volta de Cristo, não haverá mais tempo, um segundo sequer, para alguém se preparar. O pai crente não poderá avisar ao filho que se prepare; não poderá chamar sua filha, que estiver desviada para que deixe sua vida de pecaminosidade; o filho crente não poderá acordar seu pai e dizer que “Jesus está voltando”; o esposo salvo não poderá despertar a esposa, dizendo que “chegou a hora”; nem a esposa salva alertar ao marido descrente que Jesus está chamando. Não!”

Por fim, conclui o pastor Elinaldo: “Todos esses alertas devem ser dados agora, no dia que se chama hoje. Porque, no arrebatamento, os evento finais serão de uma rapidez fulminante,” num abrir e  fechar de olhos” (1 Co 15.51)

A Grande Tribulação

Jesus arrebatará a Sua verdadeira igreja antes da Grande Tribulação, no governo da Besta de Apocalipse, capítulo 13, versículos 1 a 3, que será conhecido como Governo Mundial ou Global.

O atributos dos salvos em Cristo Jesus

Sede vós  pois  perfeitos,  como  é  perfeito  o  vosso Pai que está nos céus.” (Mateus 5:48) – disse Jesus.

É perfeito aquele que cumpre literalmente as Escrituras Sagradas, pois isto agrada ao Senhor Deus.

Na Epístola de São Paulo aos Efésios, capítulo 5, versículos 1 e 2, descreve: “SEDE pois imitadores de Deus, como filhos amados;  E andai em amor, como também Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave.”

Isto significa examinar as Escrituras (João 5:39) cumprindo-as; bem como está em Cristo e  andar como Ele andou (1ª João 2:6)

Ser perfeito é cumprir Lucas, capítulo 10, versículo 27, que diz: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo.”

Amar ao próximo como a si mesma é socorrer os humildes em suas

Ser perfeito é praticar a suprema excelência da caridade de 1ª Coríntios, capítulo 13, versículos 1 a 13.

Ser perfeito é amar a Deus e cumprir os Seus mandamentos, pois assim diz o Senhor:

 “Eis que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição:  a bênção, quando ouvirdes os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, que hoje vos mandou; porém a maldição, se não ouvirdes os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, e vos desviardes do caminho que hoje vos ordeno, para seguirdes outros deuses que não conhecestes.” (11:26-28) – grifo nosso.

A severidade do Senhor para os desobedientes, e Sua benção para os obedientes,

Ser perfeito é não clamar a um deus que não pode salvar (Isaías 45:20)

Mais atributo do salvo em Cristo Jesus

Mas o fruto do Espírito é: caridade, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.” (Gálatas 5:22)

Longanimidade:  Suportar com paciência,  tolerar, ser de temperamento longo (Dicionário bíblico VINE – CPAD)

Temperança:  Tem relação com autocontrole. É o poder controlador da vontade sob  a operação do Espírito Santo. (Dic bíblico VINE-CPAD)

As Dádivas que os salvos recebem

- Seus pecados são lavados pelo sangue de Jesus (Apocalipse 1:5). Seu nome é escrito no livro da vida (Ap 13.8; Ap 20.12, e 15)

 O sangue dos seres terrestres suja, mas o sangue de Jesus lava.

- Bênçãos Espirituais

Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo.” (Efésios 1:3) 

Existem  benções comuns e benções espirituais. Benções comuns são as coisas que o senhor Deus nos concede, tais como cônjuge, os filhos, os netos, a casa, o carro, o emprego e outros bens; morrendo o ser humano, tudo fica,  pois não vão com ele (o ser humano).

Benções Espirituais são concedidas pelo senhor Deus  aos salvos em Cristo Jesus, as quais são eternas (Efésios 1:3).

- Templo de Deus e santo

Não sabeis vós que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus   habita  em  vós?  Se alguém  destruir  o  templo   de   Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo.” (1 Coríntios 3:16-17)

- Tem espírito, alma e corpo santificados, conforme está escrito: “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.” (1 Tessalonicenses 5:23)

Santo em toda maneira de viver

“Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; Porquanto escrito está: Sede santos, porque eu sou santo.” ( 1 Pedro 1:15-16) – grifo nosso.

- Estão na videira verdadeira (João 15:1-3); estão em Jesus, e Jesus neles (João 15:4); andam como Jesus andou (1ª João 2:6)

A humilde Majestade de Jesus

O salvador Jesus nasceu, foi  agasalhado com uns panos e deitado numa manjedoura, pois não havia lugar para ele, conforme o texto de Lucas, capítulo 2, versículo 7, registra:

E deu à luz a seu filho primogénito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura,  porque não havia lugar para eles na estalagem. (Lucas 2:7)

Manjedoura é uma espécie de depósito onde come os animais.

Jesus,  Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz (Isaías 9:6), o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro (Ap 22:13), foi deitado no lugar destinado a colocar comida para os animais.

Jesus é antes de todas as coisas e depois de todas as coisas, posto que Ele é o Pai da Eternidade.

Jesus, “Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.” (João 1:3)

Jesus, o criador de todas as coisas, visto que o Pai Lhe deu toda primazia. Contudo, o Senhor Deus mostrou ao mundo a Humilde  Majestade de Seu    Filho  amado  sendo  envolvido nuns panos e deitado num depósito de colocar comida para os animais, numa estribaria.

O Rei dos reis, o Senhor dos senhor, o criador de todas as coisas, nasceu extremamente pobre.

Jesus, o dono do poder, foi perseguido pelo rei Herodes, rei dos judeus, nomeado por Roma, pois Herodes mandou matar todas as crianças  de dois anos para baixo, certo que Jesus estaria no meio delas. Porém, o anjo do Senhor apareceu a José em sonho, dizendo-lhe:

 “...Levanta-te, e toma o menino e sua mãe, e foge para o Egipto, e demora-te lá até que eu te diga: porque Herodes há de procurar o menino para o matar.” (Mateus 2:13)

Jesus, por três vezes foi tentado pelo diabo (Mateus 4:2-10). Durante o Seu ministério de três anos e seis meses,  foi perseguido pelos judeus, povo para o qual veio o Salvador, não obstante, os judeus não o receberam (João 1:11).

            Um escriba disse a Jesus:Mestre, onde quer que fores, eu te seguirei” (Mateus 8:19).  Jesus,  porém,  respondeu-lhe:  “As  raposas  têm covis, e as aves  do  céu  têm  ninhos,   mas   o  Filho  do  Homem   não  tem  onde  reclinar  a  cabeça.”(Mateus 8:29)

Jesus entrou em Jerusalém montado num jumentinho (Mateus 21:1-11)

O Rei dos reis, o Senhor dos senhores, o dono do poder, não tinha onde reclinar a cabeça, e entrou em Jerusalém, triunfantemente, montado num jumentinho.

Jesus, o Messias prometido, curou, ressuscitou, fez muitos sinais miraculosos, deu mandamentos e criticou. Os judeus com inveja de Jesus, tentavam matá-lo, e pegavam em pedras a fim de apedrejá-lo.

A última Páscoa e a

Santa Ceia de Jesus

O texto sagrado diz que “no primeiro dia da festa dos pães asmos, chegaram os discípulos junto de Jesus, dizendo: Onde queres que façamos os preparativos para comeres a páscoa?” (Mateus 26:17

No versículo 18, do mesmo capítulo de Mateus, Jesus lhes disse: “Ide à cidade a um certo homem, e dizei-lhe: O Mestre diz: O meu tempo está próximo; em tua casa celebrarei a páscoa com os meus discípulos.”

E indo os discípulos, encontraram o homem; neste versículo 18, Jesus se refere ao Seu tempo na terra, e de Sua crucificação,pois o Salvador era e é Onisciente, sabendo das coisas que iriam acontecer com Ele.
            Os discípulos fizeram conforme Jesus ordenara-lhes, e prepararam a páscoa (versículo 19). E, chegada a tarde, assentou-se à mesa com os doze (versículo 20).

Jesus anunciou quem seria o traidor

            Estando todos comendo, disse-lhes Jesus: “Em verdade vos digo que um de vós me há de trair.” (Mateus 26:21)

Os discípulos, “...entristecendo-se muito, começaram cada um a dizer-lhe: Porventura sou eu, Senhor?” (versículo 22)

E Jesus lhes respondeu quem iria O trair, dizendo: “O que mete comigo a mão no prato, esse me há de trair.” (versículo 23)

Continuando, Jesus anuncia a queda do traidor, conforme descreve o capítulo 24: “Em verdade o Filho do homem vai, como acerca dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para esse homem se não houvera nascido.”

Como não havia saída, Judas pergunta: “Porventura sou eu, Rabi? Ele disse: Tu o disseste.” (versículo 25)

 “E, quando comiam, Jesus tomou o pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo.” (versículo 26) – grifo nosso.

E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; Porque isto é o meu sangue, o sangue do Novo Testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados.” (versículos 27 e 28)

21,, é   a verdadeira Santa Ceia, e não há outra, posto que o homem pó e fedente (entre os quais somos um dos tais) não tem poder para alterar as Escrituras Sagradas.

O apóstolo Paulo confirma esta mesma Santa Ceia (1ª Coríntios 11:23-26)

Jesus vai ao Getsêmani

Então chegou Jesus com eles a um lugar chamado Getsêmani, e disse a seus discípulos: Assentai-vos aqui enquanto eu vou além orar.” (Mateus 26:36)

Getsêmani: Significa lugar de óleo, no Monte das Oliveiras em que havia um jardim, onde Jesus costumava orar (Dicionário Bíblica de Almeida).

Jesus levou consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu – Tiago e João;   Jesus   começou   a entristecer-se e  a   angustiar-se muito (Mateus 26:37), Então lhes disse: “A minha alma está cheia de tristeza até à morte; ficai aqui, e velai comigo.” (versículo 38).

O texto  sagrado  diz  que “Jesus  indo  um pouco  mais para diante, prostrou-se sobre o seu   rosto,  orando e  dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres.” (versículo 39)

O cálice que Jesus citou é o cálice da amargura, quando o pessoa sofre tanto, esvaziando-se até das fezes.

            Ao terminar a oração, Jesus retornou aos discípulos, encontrando-os dormindo; e disse a Pedro: “Então, nem uma hora pudeste  vigiar comigo?” (Mateus 26:40)

            Diante da negligência dos discípulos, Jesus lhes fez uma recomendação, dizendo: “Vigiai e orai, para que  não entreis em tentação; na verdade, espírito está pronto, mas a carne é fraca.” (versículo 41)

            Jesus vai orar pela segunda vez

            Ele orou a Deus, dizendo: “Meu Pai, se este cálice não pode passar de mim sem eu beber, faça-se a tua vontade.” (versículo 42)

            No versículo 43 diz que “Jesus voltando, achou-os outra vez adormecidos, porque os seus olhos estavam carregados.”

            Jesus vai orar pela terceira vez

            E deixando-os de novo, foi orar pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras.” (26:44)

Concluindo a Sua terceira oração, Jesus chegou juntos dos seus discípulos, e disse-lhes: “Dormi agora, e repousai; eis que é chegada a hora, e o Filho do homem será entregue nas mãos dos pecadores.” (versículo 45).

Jesus recebeu o beijo da traição e foi preso

Jesus ainda estava falando com os Seus discípulos, eis que chegou Judas, um dos doze, e com ele grande multidão com espadas e varapaus, enviada pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos do povo. (Mateus 26:47)

No versículo 48, do mesmo capítulo 26, diz: “E o que o traía tinha-lhes dado um sinal, dizendo: O que eu beijar é esse; prendei-o.”

O beijo da traição

Eis que  o traidor se aproximou de Jesus, dizendo: “Eu te saúdo Rabi. E beijou-o.” (Mateus 26:49)

Jesus, porém, lhe disse: Amigo, a que vieste? Então, aproximando-se eles, lançaram mão de Jesus, e o prenderam. (Mateus 26.50)

O dono do poder,  o criador de todas as coisas, conforme o texto de João, capítulo 1, versículo 3, diz que: “ Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.” Preso!

Um dos que estavam com Jesus, estendeu a mão, puxou da espada e, ferindo o servo do sumo sacerdote, cortou-lhe uma orelha (Mateus  26:51), mas Jesus curou-o (Lucas 22:51).

Jesus fala à multidão, conforme descreve o texto sagrado: “Saístes, como para um salteador, com espadas e varapaus para me prender? Todos os dias me assentava junto de vós, ensinando no templo, e não me prendestes (Mateus 26:55). Com a prisão de Jesus, os discípulos fugiram, cumprindo-se as escrituras dos profetas (versículo 56)”

Jesus perante o Sinédrio

Após  prenderem  Jesus,  O  conduziram  à  casa  do sumo Sacerdote Caifás, onde estavam reunidos os escribas e os anciãos (Mateus 26:57).

Os príncipes  dos sacerdotes, e os anciãos, e todo o conselho,  buscavam falso testemunho contra Jesus, para poderem dar-lhe a morte, mas não  o achavam, apesar de se apresentarem muitas testemunhas falsas; mas por fim chegaram duas, E disseram: Este disse: Eu posso derribar o templo de Deus, e reedificá-lo em três dias. (Mateus 26: 59,60,61)

No Evangelho de João, capítulo 2, versículo 19, disse Jesus: “Derribai este templo, e em três dias o levantarei.”

O Senhor Jesus falou de Sua própria morte, e ressurreição ao terceiro dia.

Ouvindo o falso testemunho orientado por eles mesmos, o sumo sacerdote se levantou, provocando o Salvador, dizendo-Lhe: “Não respondes coisa alguma ao que estes depõem contra ti?” (Mateus 26:62)

Jesus, porém, permaneceu em silêncio. E, insistindo o sumo sacerdote, disse-lhe: Conjuro-te pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Cristo, o Filho de Deus (Mateus 26:63)   

Sinédrio: O mais alto tribunal religioso dos judeus, do qual faziam parte os sumo sacerdotes. (Dicionário Bíblico de Almeida)

ouvistes agora a sua blasfémia” (Mateus 26:65), dirigindo-se aos presentes, perguntando-lhes: “Que vos parece? E eles, respondendo, disseram: É réu de morte” (versículo 66)

Deu-se início a uma secção de tortura física contra Jesus, conforme o texto sagrado, que descreve: “Então cuspiram-lhe no rosto e lhe davam punhadas, e outros o esbofeteavam,  dizendo: Profetiza-nos, Cristo, quem é que te bateu?” (Mateus 26:67-68)

As ovelhas perdidas da casa de Israel, para as quais veio Jesus, porém, rejeitaram-no (João 1:11), humilharam o Messias prometido.

No dia seguinte, conforme o capítulo 27, versículos 1 e 2, de Mateus, diz que: “...todos os príncipes dos sacerdotes, e os anciãos do povo, formaram juntamente conselho contra Jesus, para o matarem; E maniatando-o, o levaram e entregaram ao governador Pôncio Pilatos.”

Maniatando: Amarrando as mãos (Dicionário Pátrio)

Era manhã da sexta feira, provavelmente ao raiar do dia, a providência do Sinédrio foi entregar  Jesus a Pilatos, que era governador dos Judeus, nomeado por Roma.

Jesus perante Pilatos

Jesus foi apresentado ao governador, e o governador o interrogou, dizendo: És tu o rei dos Judeus? E disse-lhe Jesus: Tu o dizes.” (Mateus 27:11)

Jesus sendo acusado pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos, porém, nada respondeu (versículo 12); então disse-Lhe Pilatos: Não ouves quanto testificam contra ti? (versículo  13); o governador Pilatos ficou maravilhado porque Jesus nem uma palavra proferiu (14)

A troca do malfeitor por Jesus

O texto de Mateus, capítulo 27, versículo 15, diz que “...por ocasião da festa, costumava o governador soltar um preso, escolhendo o povo aquele que quisesse.”

Naquela oportunidade tinha um preso bem conhecido por suas crueldades, de nome Barrabás (versículo 16). Portanto, estando eles reunidos, disse Pilatos aos inimigos de Jesus: “Qual quereis que vos solte? Barrabás, ou Jesus, chamado Cristo?” (versículo 17)

O governador Pilatos sabia que era por inveja que eles se voltaram contra Jesus (versículo 18)

A mulher do governador teve um sonho

E estando o governador assentado no tribunal, sua mulher mandou-lhe dizer: “Não entres na questão desse justo, porque num sonho muito sofri por causa dele” (versículo 19). Irados, os príncipes dos sacerdotes e os anciãos persuadiram à multidão que pedisse Barrabás e matasse Jesus (versículo 20). Pediram a morte do dono do poder!

O governador perguntou aos acusadores de Jesus: “Qual desses dois quereis vós que eu solte? E eles disseram: Barrabás” (versículo 21). Disse-lhes Pilatos: “Que farei então de Jesus, chamado Cristo? Disseram-lhe todos: Seja crucificado” (versículo 22) – grifo nosso.

O governador ponderou perguntando-lhes: “Mas que mal fez ele? E eles mais clamavam, dizendo: Seja crucificado.” (versículo 23)

Pilatos lavou as mãos

No versículo 24, descreve que “...Pilatos, vendo que nada aproveitava, antes o tumulto crescia, tomando água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Estou inocente do sangue deste justo; considerai isso.”

Diante da posição do governador, respondeu todo o povo, dizendo: “O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos.” (Mateus 27:25)

A covardia de Pilatos

            Jesus foi  acoitado e conduzido à audiência, conforme descreve o texto sagrado: “Então soltou-lhes Barrabás, e, tendo mandado açoitar a Jesus, entregou-o para ser crucificado (versículo 26). E logo os soldados do governador conduzindo Jesus à audiência, reuniram junto dele toda a coorte (versículo 27)”

 Despojaram as vestes de Jesus

“Tiraram as vestes de Jesus, cobrindo-O com uma  capa de escarlata (versículo 28); E, tecendo uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça, e em sua mão direita uma cana; E, ajoelhando diante dele, o escarneciam, dizendo: Salve, Rei dos judeus (versículo 29); cuspiram nele, tiraram-lhe a cana, e batiam-lhe com ela na cabeça de Jesus (versículo 30); E, depois de o haverem escarnecido, tiraram-lhe a capa, vestiram-lhe as suas vestes e o levaram para ser crucificado (versículo 31)”

Escarlata: o mesmo que escarlate, cor vermelha viva e rutilante (rutilante é o mesmo que brilhante) – dicionário Priberam da Língua Portuguesa.

Cana: Bastão de uma planta, vara de medir (Dicionário bíblico  VINE – CPAD)

Caminhando para o Gólgota

E,  quando  saíam,  encontraram  um  homem  cireneu, chamado

Simão, a quem constrangeram a levar a sua cruz.”

Jesus estava tão massacrado e debilitado, que não suportava levar a cruz, razão pela passaram-na para Simão.

Finalmente, chegaram ao lugar chamado Gólgota, que se diz: Lugar da Caveira (versículo 33), Deram-lhe a beber vinho misturado com fel; mas ele, provando-o, não quis beber (versículo 34). E, havendo-o crucificado, repartiram os seus vestidos, lançando sortes, para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta: Repartiram entre si os meus vestidos, e sobre a minha túnica lançaram sortes (versículo 35).

   Jesus foi crucificado entre dois malfeitores – um à direito, e o outro à esquerda. (Lucas 23:33)

Sendo pregado num madeiro, Jesus clamou a Deus: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem  o que fazem.”

Que homem daria a sua própria vida, a fim de salvar multidões? Que homem suportaria tanta humilhação sem protestar, sem reclamar, sem defender-se? E tudo por amor ao pecador!

Blasfêmia contra Jesus

Um dos malfeitores que estavam pendurados blasfemava de Jesus, dizendo: “Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós.” (Lucas 23:39)

O outro, porém, o repreendeu, dizendo: “Tu nem ainda temes a Deus, estando  na  mesma  condenação? (versículo 40), E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez (versículo 41)”

E em seguida, o malfeitor arrependido disse a Jesus: “Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.” (Versículos 42-43)

Note Bem: O malfeitor arrependido sabia que Jesus não era deste mundo, porquanto ele disse: “...lembra-te de mim, quando entrares no teu reino.”

A primeira pessoa levada ao Paraíso foi aquele malfeitor perdoado por Jesus, e, em seguida foram transferidos para o Paraíso os que estavam na parte de cima de Hades, no seio de Abraão (Lucas 16:19-31)

A natureza se manifestou

Continuando  com   Lucas,  no  mesmo   capítulo  23, versículos 44 e 45, diz que era  quase  a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até à hora nona,  Escurecendo-se o sol; e rasgou-se ao meio o véu do templo.

            O comentarista bíblico Itamir Neves diz que “Foi um dia de escuridão. Foram horas em que o Sol parou de brilhar, enfim um dia em que a própria natureza expressou a sua dor pela morte  do Criador.”

Padecendo terrível amargura, que nenhum homem carnal suportaria, Jesus, com grande voz, clamando, dizendo: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isto, expirou.” (Lucas 23:46)

Diz o versículo 47 que “o centurião, vendo o que tinha acontecido, deu glória a Deus, e disse: Na verdade, este homem era justo.”

            Centurião: Comandava uma milícia romana composta por cem homens.

            A sepultura de Jesus

            Todos os conhecidos de Jesus, e as mulheres que juntamente O haviam seguido desde a Galiléia, estavam de longe vendo estas coisas (Lucas 23:49).

            Um varão por nome José, da cidade de Arimatéia, e que não havia consentido no conselho e nos atos dos inimigos de Jesus, que também esperava o Reino de Deus (Lucas 23:50-51). Esse foi ao governador Pilatos pedindo-lhe o corpo de Jesus (versículo 52)

            Pilatos atendeu ao pedido de José, que retirou o corpo do Salvador, envolvendo-o num lençol, e pô-lo num sepulcro escavado numa penha, onde ninguém ainda havia sido posto (versículo 53). E era o dia da preparação, e amanhecia o sábado (versículo 54).

Os versículos 55 e 56 registram que  “as mulheres, que tinham vindo com ele da Galiléia, seguiram-no também e viram o sepulcro, e como foi posto o seu corpo. E, voltando elas, prepararam especiarias e unguentos; e no sábado repousaram, conforme o mandamento.”

            E assim, cumpriu-se o que o Senhor Deus falou pela boca do profeta,   conforme   Isaías,   capítulo  53,  versículo  9,   que   descreve:

E puseram a sua sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte; ainda que nunca cometeu injustiça, nem houve engano na sua boca.”

O texto sagrado diz “E no primeiro dia da semana, muito de madrugada,  foram  elas  ao sepulcro, levando as especiarias que tinha preparado, e algumas outras com elas.” (Lucas 24:1)

Surpreendentemente, as mulheres encontraram o sepulcro vazio, conforme os versículos 2 e 3, que descrevem: “E acharam a pedra revolvida do sepulcro.  E, entrando, não acharam o corpo do Senhor Jesus.”

            As mulheres ficaram perplexas  a respeito do que viram, e eis que pararam junto delas dois varões, com vestidos resplandecentes (versículo 4). E, estando elas muito atemorizadas, e abaixando o rosto para o chão, eles lhes disseram: Porque buscais o vivente entre os mortos? (versículo 5)

Os anjos esclareceram-lhes que Jesus não estava mais naquele lugar, pois havia ressuscitado. E acrescentaram-lhes, dizendo: “Lembrai-vos como vos falou, estando  ainda  na Galiléia,  dizendo:  “Convém  que  o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, e seja crucificado, e ao terceiro dia ressuscite. E lembraram-se das suas palavras.” (versículos 6 a 8)

Lucas, o médico amado, escritor de Atos dos Apóstolos, inicia o capítulo 1, versículos 1 e  2, dizendo: “FIZ o primeiro tratado, ó Teófilo, acerca de tudo que Jesus começou, não só a fazer, Até ao dia em que foi recebido em cima, depois de ter dado mandamentos, pelo Espírito Santo, aos apóstolos que escolhera;”

Lucas diz que Jesus, depois  de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias, e falando do que respeita o reino de Deus (versículo 3). – grifo nosso.

Nesse período de quarenta dias, o Senhor Jesus apareceu diversas vezes, e, no momento que Ele retornaria ao Seu Trono Celestial, apareceu aos Seus discípulos e uma multidão, dizendo-lhes: “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.” (Marcos 16:15-16) – grifo nosso.

Nos versículos 17 e 18, do Marcos 16, disse o Senhor Jesus: “E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demónios; falarão novas línguas; Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos e os curarão.”

 “Ora o Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu, e assentou-se à direita de Deus.” (Marcos 16:19)

Retornando a Atos dos Apóstolos, o doutor Lucas escreveu: “E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes. Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.” (Atos 1:4-5)

A pergunta dos discípulos

Os discípulos perguntaram sobre a restauração do reino a Israel, conforme Atos 1, versículos 6 e 7, que descreve: “Aqueles pois que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel? E disse-lhes: Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder.”

A virtude do Espírito Santo

Jesus disse aos Seus discípulos sobre o poder que haviam de receber, conforme o versículo 8, que diz: “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra.”

E quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. (versículo 9)

Virtude: Qualidade de Excelência moral. Poder. (Dic bíblico de Almeida)

Surgiram dois anjos

E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois varões vestidos de branco, Os quais lhes disseram: Varões galileus, porque estais olhando para o céu? Esse Jesus, que de entre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir. (Atos 1:10-11)

Essa segunda vinda de Jesus, divide-se em duas fases; a primeira já vimos neste trabalho, e a segunda fase vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram (Apocalipse 1:7) 

O senhor Deus já preparou tudo para esse extraordinário evento, pois hoje nós estamos assistindo as notícias ao redor do mundo, em tempo real.

E assim, a segunda fase da segunda vinda de Jesus será vista pelo mundo inteiro.

O Holocausto terrestre

Abraão foi oferecer o seu único filho Isaque em holocausto

Um holocausto cheio de fé e obediência, pois o Senhor Deus testou a fé e a obediência de Abraão,  mandando-o matar o seu único filho Isaque, conforme descreve o texto sagrado:

“E aconteceu, depois destas coisas, que tentou Deus a Abraão e disse-lhe: Abraão! E ele disse: Eis-me aqui. E disse: Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá; e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi.” (Gênesis 22:1-2)

  Abraão não questionou a ordem de Deus, visto que não duvidou quando   “...o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.” (Gênesis 12:1)

Semelhantemente, então, se levantou Abraão pela manhã, de madrugada, e albardou o seu jumento, e tomou consigo dois de seus moços e Isaque, seu filho; e fendeu lenha para o holocausto, e levantou-se, e foi ao lugar que Deus lhe dissera.;” (Gênesis 22:3)

Diz  texto sagrado que “Ao terceiro dia, levantou Abraão os seus olhos e viu o lugar de longe. E disse Abraão a seus moços: Ficai-vos aqui com o jumento, e eu e o moço iremos até ali; e, havendo adorado, tornaremos a vós.” (Gênesis 22:4-5)

Aqui Abraão prova a sua fé e confiança em Deus, ao dizer “e eu e o moço iremos até ali; e, havendo adorado, tornaremos a vós.”

Abraão tomou a lenha do holocausto e pô-la sobre Isaque, seu filho; e ele tomou o fogo e o cutelo na sua mão. E foram ambos juntos (versículo 6); Então, falou Isaque a Abraão, seu pai, e disse: Meu pai! E ele disse: Eis-me aqui, meu filho! E ele disse: Eis aqui o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto? (versículo 7).”

Abraão, o pai da fé, respondeu ao seu filho: “Deus proverá para si o cordeiro para o holocausto, meu filho. Assim, caminharam ambos juntos.” (versículo 8)

Os versículos 9 e 10, do mesmo capítulo 22, diz  “E vieram ao lugar que Deus lhes dissera, e edificou Abraão ali um altar, e pôs em ordem a lenha, e amarrou a Isaque, seu filho, e deitou-o sobre o altar em cima da lenha. E estendeu Abraão a sua mão e tomou o cutelo para imolar o seu filho.”

Cutelo: Instrumento cortante em forma de meia-lua. Imolar: Matar o animal.  (Dic bíblico de Almeida).

A intervenção do Anjo do Senhor

O Anjo do SENHOR bradou Abraão desde os céus e disse: Abraão, Abraão! E ele disse: Eis-me aqui (versículo 11). Então, disse: Não estendas a tua mão sobre o moço e não lhe faças nada; porquanto agora sei que temes a Deus e não me negaste o teu filho, o teu único (versículo 12).

O Anjo levou um carneiro

Então, levantou Abraão os seus olhos e olhou, e eis um carneiro detrás dele, travado pelas suas pontas num mato; e foi Abraão, e tomou o carneiro, e ofereceu-o em holocausto, em lugar de seu filho.”  (versículo 13)

Sobre este holocausto, é necessário que destacamos relevantes pontos:

1º - A fé inquestionável de Abraão;

2º - A obediência de Abraão sem resistir à ordem do Senhor Deus, levando o seu único filho ao holocausto;

3º - O holocausto do primeiro ser humano representava o HOLOCAUSTO DE JESUS QUE DESCEU DO CÉU COM PODER E GLÓRIA, e  fez-se homem, nasceu de mulher, segundo a carne;

4º - O anjo do Senhor mostrou o carneiro, que também é tratado como cordeiro, um animal filho de ovelha;

5º - João Batista apresentou o Cordeiro que salva, conforme o texto sagrado diz: “No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” (Evangelho de João, capítulo 1, versículo 29)

6º - Isaque era filho único de Abraão;

7º - Jesus, o Filho Unigênito de Deus (Evangelho de João, capítulo 3, versículo 16).  Filho Unigênito, significa filho único.

8º - O holocausto de animais, no Velho Testamento, destinava-se a um determinado grupo,  o povo escolhido de Deus. Porém, o holocausto futuro seria para a humanidade inteira.

O povo de Deus, porém, afastou-se dos retos caminhos do Senhor, razão pela qual no ano  785 antes de Cristo, disse o Senhor Deus:

“O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos.” (Oseias 4:6)

O holocausto celestial

No Novo Testamento, o holocausto de Jesus destinou-se ao mundo todo, pois tão grande foi o amor de Deus (João 3:16), não para condenar o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por Ele (João 3:17).

Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos.” (Isaías 53:5-6)

Jesus Cristo é aquele que nos ama, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados, E nos fez reis e sacerdotes para Deus e seu Pai; a ele glória e poder para todo o sempre. Amem. (Apocalipse 1:5-6)

A morte do testador

O escritor aos Hebreus diz  “Porque, se o sangue dos touros e bodes, e a cinza de uma novilha esparzida sobre os imundos, os santifica, quanto à purificação da carne (Hebreus 9:13)

E como sangue dos animais irracionais não tirava os pecados, então, veio um racional e celestial, detentor de toda majestade e todo poder, que  se ofereceu, conforme  os versículos 14 e 15, que descrevem:

“Quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo? E por isso é Mediador dum novo Testamento, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia debaixo do primeiro testamento, os chamados recebam a promessa da herança eterna.”

O  sangue de Cristo nos purifica de todos os pecados, mas dos que  dos arrependidos. E é este sangue que transforma o pecador arrependido, deixando-o com corpo, alma e espírito santificados, conforme está escrito:

E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.” (1 Tessalonicenses 5:23) – grifo nosso.

Validade do Testamento

Um testamento só tem validade com a morte do testador, conforme os versículos 16 e 17, do mesmo capítulo 9, que está escrito: Porque onde há testamento necessário é que intervenha a morte do testador. Porque um testamento tem força onde houve morte; ou terá ele algum valor enquanto o testador vive?”

Mesmo que Deus O tenha ressuscitado, mas houve morte, portanto, entrou em vigor o Novo Testamento.

O valor preciosíssimo do sangue de Cristo

“Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado,”(1 Pedro 1:18-19) – grifo nosso.

Em Jesus temos a redenção por meio do SEU SANGUE, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus (Efésios 1:7), e Ele se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras. (Tito 2:17).

JESUS se fez maldição para nos resgatar da maldição da lei

No livro de Gálatas, capítulo 3, versículo 13, diz: Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro;” – grifo nosso.

    Os judeus exigiram trocar Barrabás por Jesus, e contado entre os malfeitores, sendo crucificado com eles, um à Sua direta e  outra à Sua esquerda.

   Diz o texto sagrado que “um dos malfeitores que estavam pendurados  blasfemava dEle, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo, e a nós.” (Lucas 23:39)

Foi o diabo que falou pela boca do malfeitor blasfemador, pois o inimigo é especialista em colocar dúvida no ser humano.

O outro pendurado interviu, conforme diz o versículos 40 e 41:“Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Deus, estando na mesma condenação? E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez.”

A petição do malfeitor arrependido

Reconhecendo os seus feitos, o malfeitor disse a Jesus: “Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino (versículo 42)”. Ele sabia que Jesus viera do Céu, e para lá retornaria.

Jesus fez o maior de todos os milagres, tomando aquele para Si, dizendo-lhe: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.” (versículo 43)

O ex-malfeitor foi o primeiro salvo  levado por Jesus para o Paraíso. Os que estavam na parte de cima do Hades, no  seio de Abraão (Lucas, capítulo 16:19 a 31), foram conduzidos pelos anjos para o Paraíso, juntamente com Abraão.

Profecias sobre o sofrimento de Jesus

No ano 712 antes de Cristo, Isaías – o profeta Messiânico – anunciou o terrível sofrimento de Jesus, conforme registra  o texto sagrado que se segue:

Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos . Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca.” (Isaías 53.5 a 7).

Jesus Cristo foi submetido a terrível sofrimento; Chicoteado pelo governador Pilatos,  cuspido, ferido, deram na Sua face, deram-lhe a beber vinagre por água, recebeu o beijo da traição de Judas Iscariotes – um dos seus discípulos -, foi blasfemado e zombado. Porém, cheio de Amor, Graça e Paz.

O Amor que o mundo não tem, e rejeita a Graça  e a Paz.

No Evangelho de Mateus, capítulo 5, versículo 44, disse Jesus: “Amai a vossos inimigos, bem-dizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem;” (Mt 5:44). Ele mandou amar o nosso próximo como a nós mesmos (Mt 22:30)

Jesus não foi contraditório, pois amou os que lhe pregavam na cruz, e clamou a Deus, dizendo: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem. E, repartindo os seus vestidos, lançaram sortes.” (Lucas 23:34). Estes, que Deus os perdoou,  verão Jesus descendo nas nuvens, conforme descreve o texto sagrado que se segue:

“Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém.” (Apocalipse 1:7)

A natureza sentiu morte do seu Criador

Naquele sofrimento de Jesus “...era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até à hora nona, Escurecendo-se o sol; e rasgou-se ao meio o véu do templo.” ( Lucas 23.44 e 45). E tremeu a terra, e fenderam-se as pedras,” (Mateus 27:51b)

Rasgou-se o Véu do Templo

E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; a terra, e fenderam-se as pedras,” (Mateus 27e tremeu:51)

O véu dava acesso ao Santo dos Santos, e o sacerdote lá entrava uma vez por ano. Com a ruptura do véu, o Santo dos Santos passou a ser Jesus Cristo, e através dEle temos  acesso a Deus  continuamente,  posto  que dos  Seus lábios saíram estas palavras: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (João 14.6)

Assim, tanto na oração (João, cap 14, versículos 13-14, e cap 15, versículo 7), bem como  na  salvação,  vamos  a  Deus  através   Jesus,  pois  

foi Ele  que pagou o preço do resgate com o Seu sangue; Jesus amado é “Aquele que nos ama, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados” (Apocalipse 1:5b)

“Anualmente, no Dia da Expiação, o Sumo Sacerdote podia entrar no local separado pelo véu para levar incenso e espargir  sangue no propiciatório (Levítico 16:12,15). Quando o Tabernáculo era transportado de um lugar para outro, o véu era retirado e utilizado para cobrir a Arca da Aliança (Números 4.5). No momento da morte do Senhor Jesus  Cristo, o véu do templo de Jerusalém  foi rasgado...” (Dic Bíblico de  Wycliffe, página 2009).

Propiciatório:Tampa de ouro puríssimo que cobria a Arca da Ali-ança.Vaso sagrado em que se oferecia sacrifícios a Deus – (Dicionário Priberam)

Jesus foi submetido ao cumprimento de uma sentença terrível, pois pregado num madeiro, derramou todo o Seu preciosíssimo sangue, efetivando o Sacrifício expiatório, a fim de resgatar o pecador arrependido da maldição da lei, inclusive os judeus, o povo escolhido de Deus, cujo povo se afastara dos caminhos retos do Senhor Deus, pois em    Oséias, capítulo 4, versículo 6, diz o Senhor:

 “O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos.” 

Se o Pai não ressuscitasse o Filho, este globo chamado terra estaria em trevas, não obstante, o amor imensurável de Deus foi tão grande, conforme João (filho de Zebedeu),  descreve:“Porque Deus amou o Mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (Evangelho de João 3:16)

O Senhor Deus deu o Seu único Filho ao mundo, porém, o mundo o rejeita; o número dos que rejeitam o Filho Unigênito  é tão grande, que o Senhor Deus precisa dos livros, a fim de escrever os seus nomes nos livros  (Apocalipse 20:12), porém, os salvos em Cristo Jesus,  o  Senhor

Escreve os seus nomes no livro da vida (Apocalipse 2015)

A dúvida do ser humano

 A palavra de Deus é anunciada ao ser humano, que a guarda no seu coração, não obstante, falta alguém para lhe convencer. Pois é o Espírito Santo,  que convence o mundo do pecado, e da justiça e do juízo (João 16:8)

Momento de Indecisão                       A Parábola do Semeador

O texto sagrado do Evangelho de Mateus, capítulo 13, versículos 1 e 2, diz  que  “TENDO Jesus  saído  de  casa naquele dia, estava assentado junto ao

mar; E ajuntou-se muita gente ao pé dele, de sorte que, entrando num barco se assentou; e toda a multidão estava em pé na praia.”

Jesus falou à multidão de muitas coisas por parábolas, dizendo: Eis que o semeador saiu a semear (versículo 3). E, quando semeava, uma parte da semente caiu ao pé do caminho, e vieram as aves, e comeram-na (versículo 4); E outra parte caiu em pedregais, onde não havia terra bastante, e logo nasceu, porque não tinha terra funda (versículo 5); Mas, vindo o sol, queimou-se e secou-se, porque não tinha raiz (versículo 6). E outra caiu entre espinhos, e os espinhos cresceram, e sufocaram-na (versículo 7). E outra caiu em boa terra, e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta (versículo 8).

A Parábola do Semeador refere-se  à  pregação do Evangelho (Marcos, capítulo 16, versículo 15), porém, não prosperou, pois não permaneceu no coração dos ouvintes.

Quem se salvará e quem será condenado

No texto de Marcos, capítulo 16, versículos 15 e 16, disse o senhor Jesus:  “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.” – grifo nosso.

Medite bem neste texto citado por último! Primeiro vem o crer, seguindo-se o batismo. A criança só poderá ser batizada quando lhe são anunciadas as coisas mais fáceis de entender, porém, de valor extraordinário, tais como: Quem é Deus, quem Jesus, e quem  é o Espírito Santo; e obedecer as Sagradas Escrituras.

O batismo é mergulhando  nas águas (por imersão), conforme Jesus foi batizado no Rio Jordão; este é o batismo aprovado por Deus.

 Veja que Jesus não deixou dúvida ao dizer: “Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado”.

O preço da Salvação Eterna

Não foi ouro, nem prata, nem tampouco predas precisas! Jesus comprou e continua comprando, mas com o seu preciosíssimo SANGUE.

O SANGUE  daquele que nos ama, e em Seu sangue nos levou dos nossos pecados (Apocalipse, cap 1, versículo 5b)

Jesus mudou a História

 Pendurado no madeiro, Jesus mudou a história ao assassinar a NOVA ALIANÇA com o Seu precioso Sangue. A ALIANÇA DA MARAVILHOSA GRAÇA SALVADORA. A ALIANÇA DE AMAR OS NOSSOS INIMIGOS. DE AMAR A DEUS, conforme disse Jesus:  “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo.” (Lucas 10:27)

O Messias prometido

Jesus é o Messias prometido aos Judeus,  que o Senhor Deus O anunciou, através do profeta Isaías, chamando-O de  “Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”. (Isaías, cap 9, v 6)

Pai da Eternidade, Ele é, portanto, antes de todas as coisas, e depois de todas as coisas.

Os judeus rejeitaram o Messias prometido, levando-O à morte de cruz, e, pendurado num madeiro, tornando-se maldito pela salvação do homem pecador arrependido, que não conhecia Deus.

No livro de Mateus, capítulo 25, versículos 31 a 46, Jesus se apresenta como o Filho do Homem. São diversos os textos sagrados que Jesus amado se apresenta como o Filho do Homem.

No livro do Apocalipse, capítulo 22, versículo 13, diz  o Filho do Homem: “Eu sou o Alfa e o ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro.”

Alfa: primeira letra do alfabeto grego. Ômega: última letra do alfabeto grego; Alfa, o primeiro  e o Ômega, o derradeiro.

O Pai, o Filho e o Espírito Santo constituem o Deus Uno, sendo, portanto, antes de todas as coisas e depois de todas as coisas, visto que o Seu Reino é Eterno. 

O Filho do Homem bate na porta

Na sétima carta à Igreja que estava em Laodicei, Apocalipse, capítulo 3, versículo 20, assim diz Filho do Homem: “Eis que estou à porta, e bato: se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.” Ele bate na porta e fala!

 O Filho do Homem se refere ao coração  de quem se afastou dos  caminhos retos do Senhor. A ceia, neste caso, é Espiritual. Ele não desiste, mas devido a dureza do coração, e a intervenção  de satanás, perde muitos!

O Filho do Homem, diz: “Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono.” (Apocalipse 3, versículo 21)

O Filho do Homem no

Trono de Sua Glória

Jesus prediz a Sua Gloriosa vinda, conforme o capítulo e os versículos que se seguem.’

 “E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no TRONO DA SUA GLÓRIA; E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas; E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.” (Mateus 25:31-33)

Antes do versículo seguinte, iremos  para o mesmo escritor, capítulo 6, pois assim disse Jesus:

Quando pois deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.” (versículo 2)

 “Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita; Para que a tua esmola seja dada ocultamente: teu Pai, que vê em segredo, te recompensará publicamente.” (Mateus 6:3-4)

           

A Proclamação pela esmola

O Filho do Homem fará  publicamente uma proclamação pelo agradecimento da esmola, conforme diz o texto sagrado: “Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, bem-ditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;” (versículo 34)

Segue-se a gloriosa razão:

Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me.” (versículos 35 e 36)

Os justos perguntarão ao Rei

Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? Ou nu, e te vestimos? E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?” (versículos 37-39)

O Rei dirá às ovelhas: “Em verdade vos digo que, quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.” (versículo 40). Os irmãos do Filho do Homem são os irmãozinhos humildes e pobres, pois o reino dos ricos é aqui, nesta terra.

As  ovelhas amam a Jesus e guardavam os  Seus mandamentos, pois disse Jesus: Se me amardes, guardareis os meus mandamentos.” (João 14:15)

As ovelhas não se portaram com indecência, não buscavam os seus interesses, não se irritavam, não suspeitavam mal; Não folgavam com a injustiça, mas folgavam com a verdade (1 Coríntios, capítulo 13, versículos 5  a 6).

As ovelhas são sofredoras, pois elas sofrem pelos irmãos, conforme diz o texto:  “Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” (versículo 7)

Elas (as ovelhas) tem o FRUTO DO ESPÍRITO, conforme escreveu o apóstolo Paulo (Gálatas 5:22)

A decepção dos injustos

Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos; Porque tive fome, e não me destes de comer, tive sede, e não me destes de beber. Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes.” (versículos 41 a 43)

Os injustos também perguntarão ao Rei, dizendo: “Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos?” (versículo 44)

A resposta do Rei não será boa

Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim.
E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna.” (versículos 45 e 46)

As ovelhas são aqueles que diziam amar a Deus, e cumpriam os Seus mandamentos, pois assim diz o Senhor:

“Eis que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição: a bênção, quando ouvirdes os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, que hoje vos mando; porém a maldição, se não ouvirdes os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, e vos desviardes do caminho que hoje vos ordeno, para seguirdes outros deuses que não conhecestes.” (Deuteronômio 11:27-26-28)

Aqui, o Senhor Deus apresenta dois destinos: A benção e a maldição.

As ovelhas ouviram  e cumpriram os mandamentos de Deus, e o destino final das ovelhas é a SALVAÇÃO ETERNA, porém, os que escolheram a maldição serão levados pelo anjo do abismo para o tormento eterno. A M É M!