RIBEIRO ROCHA JULIO 
A origem do mal
A origem do mal

O mundo desde a sua criação vive num tremendo conflito de desobediência ao Seu criador – o Senhor Nosso Deus. Crimes horrorosos, adultérios, estupro com  assassinato das pessoas estupradas, corrupção em todos os segmentos sociais, guerras. Nações são invadidas e milhões de pessoas assassinadas.

Religiosos fanáticos matam assustadoramente, deixando o mundo perplexo ante as terríveis atrocidades. Homens bombas. Ataques terroristas em várias partes do mundo.

Crianças e adolescentes são corrompidos com toda espécie de violência.  Os pais matam os seus filhos na mais tenra idade, e até os estupram. Filhos matam os pais. A iniquidade está sem fronteiras nos dias de hoje, e cobre toda a terra. O coração do homem desceu para a sola dos pés.

Contrário à palavra de Deus, o homem não vem respeitando limites. Tudo é possível. Tudo é normal. A impunidade, aqui na terra, também é normal.

Deus disse ao homem:                                                                                                               

Não matarás. Não adulterarás. Não furtarás. Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo. Tudo isto é praticado prazerosamente, servindo até de troféus para muitos. A mulher se depravou terrivelmente. Ela faz questão de mostrar  sua nudez, oferecendo-se a quem quiser possuí-la. Sua sensualidade é cada vez mais provocante. É triste!

O movimento feminista destruiu o precioso tesouro de grande parte do universo feminino - seu caráter, sua decência.

Sem conhecer a Palavra de Deus, o ser humano trilha pelo caminho da perdição.

Vivemos perplexos num mundo totalmente fora de controle, com ataques de religiões terroristas, que matam impiedosamente.   A terra foi transformada num verdadeiro matadouro humano.

O homem transformou a terra num centro de perversidade, de devassidão, de prostituição, de roubalheira.

Os dias se passam. E o homem se embriaga nas desgraçadas delícias que o  reino deste século lhe oferece.

A mulher era considerada parte fraca, mansa e pacata, com brandura no seu coração. Agora, ela caminha em pé de igualdade com o homem, porquanto pratica as mesmas crueldades dantes abraçadas só pelo homem.

Insaciavelmente, homens e mulheres se esbanjam no apogeu de tanto deleite nocivo à moralidade, que lhes é oferecido, a princípio deliciosamente, porém, a preço de morte; e morte espiritual,  entregando a sua alma ao fogo eterno, onde também ficarão o diabo e os seus anjos.  

O ser humano se opõe à palavra de Deus. Poucos se interessam a conhecer o Senhor Nosso Deus, o Senhor dos Exércitos.

Que força é essa que atrai o ser humano a proceder de tal modo, contrariando a vontade do seu Criador? A Bíblia – o santo livro de Deus – explicará tudo.

 O autor destas coisas morava no Céu. A Bíblia Sagrada registra que o reino celestial é formado pelo Pai, o Filho, o Espírito Santo, Serafins, Querubins e Arcanjos, também conhecidos por anjos.

O Senhor Deus não deixou tais fatos encobertos ao homem, porquanto o livro de Deus conta a história de uma rebelião encabeçada por um dos anjos, que tentou dar um golpe de estado e destronar o seu próprio Criador.

E assim, dentre os anjos havia um querubim muito formoso, ungido para proteger, cheio de poderes, chamado Lúcifer, que significa portador da luz.

Ezequiel, capítulo 28, versículo 14, diz:

“Tu eras querubim ungido para proteger, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas.”

Continuando, diz o Senhor Deus em Ezequiel, capítulo 28, versículo 15:

“Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniquidade em ti.” 

O Senhor, que é onisciente, conhecia o coração de Lúcifer, que iria maquinar coisa terrível no reino de Deus.

A estratégia de Lúcifer

Em Isaías, capítulo 14, versículo 12, conta a ambição de Lúcifer e sua queda, conforme está escrito:

“Como caíste desde o céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste cortado por terra, tu que debilitavas as nações!”

Continuando, eis que não demorou muito para Lúcifer dizer em seu coração:

“...Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, da banda dos lados do norte.  Subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo.  E com tudo levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo” (Isaías 14:13-15)

Lúcifer reuniu os anjos, aos quais apresentou o seu projeto, a fim de convencê-los a aceitar o seu plano e combaterem com ele, e tomar o Reino de Deus. Ele queria aplicar um golpe de estado e usurpar o trono de Deus.

Porque Deus não eliminou, de vez, Lúcifer e os anjos rebelados?

Ora, se o Senhor Nosso Deus quisesse teria exterminado com Lúcifer e seus anjos rebeldes. Deus, porém, não age assim, porque não é um ditador. O Senhor Deus é democrata. Ele é o Deus do livre arbítrio, dando a todos, inclusive aos seres celestiais, o direito de decidir o seu próprio destino – o caminho do bem ou do mal.

Deus, todavia, faz um alerta em Isaías, capítulo 29, versículo 15, dizendo:

“Ai dos que querem esconder profundamente o seu propósito do SENHOR, e fazem as suas obras às escuras, e dizem: Quem nos vê? E quem nos conhece?”

Quantos anjos  aceitaram a proposta de Lúcifer?

Esta pergunta é difícil de ser respondida, porém, podemos imaginar que foram milhões de anjos, porquanto o exército celestial é formado por um efetivo incontável, conforme nos descreve João em Apocalipse, capítulo 5, versículo 11, dizendo:

 “E olhei, e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono, e dos animais, e dos anciãos; e era o número deles milhões de milhões, e milhares de milhares”.

O dicionário explica o significado das palavras seguintes:

Iniquidade: Grande injustiça. Ato malvado, prática de crime, pecado e perversidade.

Onisciente: Que sabe tudo.