RIBEIRO ROCHA JULIO 
AS DUAS CARTAS AOS CORÍNTIOS
AS DUAS CARTAS AOS CORÍNTIOS

 

São Paulo criou a Igreja do Senhor Jesus em Corinto

Nosso assunto inicial é sobre a criação dessa igreja pelo apóstolo Paulo, enfrentando grande oposição dos judeus, como nos diz em Atos 18.

Na sua segunda viagem missionária, o apóstolo Paulo se encontrava em Atenas, deixando-a foi para Corinto, onde ao pregar a Jesus converteram-se muitos. Porém, decorridos vários meses, os judeus resistiam e diziam blasfêmias, porque Paulo lhes testificava que Jesus era o Cristo.

Ora, com a resistência blasfematória dos judeus, São Paulo sacudindo os vestidos, disse aos judeus:

“....O vosso sangue seja sobre a vossa cabeça; eu estou limpo, e desde agora parto para os gentios.” (Atos 18:6)

Ele saiu daquele lugar e entrou numa casa que ficava junto da sinagoga, onde morava um homem de nome Tito Justo, que servia a Deus. (Atos 18:7)

Após este fato, o Senhor em visão falou com Paulo. Vejamos o texto.

E disse o Senhor a Paulo:

            “Não temas, mas fala, e não te cales;  Porque eu sou contigo, e ninguém lançará mão de ti para te fazer mal, pois tenho muito povo nesta cidade.  E ficou ali um ano e seis meses, ensinando entre eles a palavra de Deus.”  (Atos 18:9 e 11).

Enciumados, os judeus armaram um plano contra Paulo, reagindo sobre ele, levando-o ao tribunal para ser julgado por Gálio, procônsul da Acaia. Na acusação contra Paulo, os judeus diziam a Gálio:

Este persuade os homens a servir a Deus contra a lei.” (Atos 18:13)

A esta acusação, queria Paulo contestar, mas Gálio tomando a palavra, disse aos acusadores judeus:

 Se houvesse, ó judeus, algum agravo ou crime enorme, com razão vos sofreria, mas, se a questão é de palavras, e de nomes, e da lei que entre vós há, vede-o vós mesmos; porque eu não quero ser juiz dessas coisas.”   (Atos 18:14-15)

Ditas estas palavras, o procônsul os expulsou de sua presença. (Atos 18:16)

O versículo 17, do capítulo 18, relata-nos que os judeus não podendo se vingar em Paulo, porque temiam que o poder de Deus se manifestasse contra suas agressões, foram contra Sóstenes, que era principal da sinagoga, ferindo-o diante do tribunal, contudo, o procônsul assistiu aqueles fatos e não se incomodou.

No versículo 18, do capítulo 18, diz que Paulo ainda ficou ali muitos dias, e em seguida navegou para a Síria.

Como se vê, Deus, que não é o homem para mentir, nem filho do homem para prometer e não cumprir, São Paulo não sofreu violência naquela cidade, salvo a de ser levado à presença de Gálio.

Eis o porquê da ira dos judeus.  Paulo convencia os coríntios a aceitarem a Jesus como o Seu único e suficiente Salvador e Redentor; aquele que nos resgata das travas, levando-nos à luz.

A Igreja de Corinto.

São Paulo ficou razoável tempo em Corinto, deixando uma Igreja doutrinada, com os irmãos santificados. Eles viviam em perfeita ordem e paz. Sem lhes faltar nenhum dom. Procediam como convinha aos santos do Senhor.

Decadência da Igreja.

Com a saída de Paulo, os irmãos enfraqueceram na doutrina. Decaíram na fé, ocorrendo divisão, disputa e até adultério.

A primeira Carta do Apóstolo Paulo aos Coríntios

Com o surgimento daquele comportamento dos irmãos coríntios, veremos, a partir do capítulo 1 da mesma primeira carta, qual a providência adotada por São Paulo.

No versículo 1, Paulo se apresenta, dizendo:

“Paulo (chamado apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus), e o irmão Sóstenes,” 

Aqui, São Paulo se apresenta com o irmão Sóstenes.

No versículo 2 e 3, São Paulo diz para quem está dirigindo aquela primeira carta, fazendo uma breve saudação, conforme está escrito:

“À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso: Graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.” 

Agora, ele faz referência sobre o comportamento da Igreja, à qual endereçou a carta, dizendo: 

Sempre dou graças ao meu Deus por vós pela graça de Deus que vos foi dada em Jesus Cristo. Porque em tudo fostes enriquecido  nEle, em toda a palavra e em todo o conhecimento.  (Como foi mesmo o testemunho de Cristo confirmado entre vós). De maneira que nenhum dom vos falta, esperando a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo, O qual vos confirmará também até ao fim, para serdes irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor.” (versículos 4 a 9)

A partir do versículo 10, do mesmo capítulo, nota-se evidência de uma decadência com largo número de irmãos, na Igreja do Senhor em Corinto, pois Paulo inicia esse versículo fazendo rigorosa advertência, como podemos observar:

“Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais  todos  uma  mesma  coisa,  e  que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um mesmo sentido e em um mesmo parecer.”(capítulo 1:10)

No versículo 11, do mesmo capítulo, ele diz o motivo daquela carta.

Observe:

Porque a respeito de vós, irmãos meus, me foi comunicado pelos da família de Cloe que há contendas entre vós.” 

Paulo diz: ”Rogo-vos”

Assim se comportavam os irmãos Coríntios, com desavenças, atitudes contrárias aos ensinamentos do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A Igreja do Senhor em Corinto, equivocadamente, estava dividida mais se parecendo com uma instituição político-partidária, cuja história se acha bem narrada por Paulo, ao afirmar: 

Quero dizer com isto, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo. Está Cristo dividido? Foi Paulo crucificado por vós? Ou fostes vós batizados em nome de Paulo?” (1 Coríntios 1:12 e 13) 

Paulo se sentiu até aliviado porque não batizou nenhum deles, afirmando categoricamente:

Dou graças a Deus, porque a nenhum de vós batizei, senão a Crispo e a Gaio.  Para que ninguém diga que fostes batizados em meu nome.  E batizei também a família de Estéfanas; além destes, não sei se batizei algum outro.” (o mesmo capítulo, versículos 14 e 16)

No texto seguinte, ele condena a sabedoria de palavras, levando-nos a crer que este era o comportamento dos irmãos daquela igreja, conforme assim observamos:

Porque Cristo enviou-me, não para batizar, mas para evangelizar; não em sabedoria de palavras, para que a cruz de Cristo se não faça vã. Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus.” (1 Coríntios 1:17-18)

 

O apóstolo não aprovou o caminho seguindo pelos coríntios

“E EU, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria. Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado.  E eu estive convosco em fraqueza, e em temor, e em grande tremor.  A minha palavra, e a minha pregação, não consistiu em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder;  Para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus.” (1 Coríntios 2:1-5)

Paulo quer dizer aqui que não se dirigiu aos coríntios com palavras de significação difícil de entender, nem com sabedoria, porquanto ele pregou a Jesus Cristo crucificado, sem O qual não existe salvação. E continua não existindo para muitos que se dizem convertido!

Prosseguindo, São Paulo conhecendo as grandes e assustadoras falhas da Igreja de Corinto, que estava contaminada por espírito mundano, o qual assim se expressa aos irmãos daquela igreja:

E EU, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo.  Com leite vos criei, e não com manjar, porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora podeis; Porque ainda sois carnais. Pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois porventura carnais, e não andais segundo os homens?  Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; porventura não sois carnais?  Pois quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um?” (1 Coríntios 3:1-5)

A impureza da igreja de Corinto foi motivo de repreensão pelo apóstolo, pois no capítulo 5, versículos 1 a 5, ele expressa tal posição, dizendo:

GERALMENTE se ouve que há entre vós prostituição tal, qual nem ainda entre os gentios, como é haver quem abuse da mulher de seu pai.  Estais inchados, e nem ao menos vos entristecestes por não ter sido de entre vós tirado quem cometeu tal ação.  Eu na verdade, ainda que ausente no corpo, mas presente no espírito, já determinei, como se estivesse presente que o que tal ato praticou,  Em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, juntos vós e o meu espirito pelo poder de nosso Senhor Jesus Cristo,  Seja entregue a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus.”

Aqui, observamos, portanto, que aquela história era propagada por muitos. Não era mais segredo.

Paulo compara o comportamento dos Coríntios com o fermento, que contamina a todos se vangloriando entre si, de acordo com 1 Coríntios, capítulo 5, versículos 6 e 7, que se segue:

Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento faz levedar toda a massa?  Alimpai-vos pois do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós.” 

Mas..., o que Paulo quer dizer mesmo com jactância e levedar? Estudemos, pois o significado destas duas palavras. Já podemos concluir que não se tratava de nenhum elogio; ele queria colocar as coisas nos seus devidos lugares, conforme o apóstolo teria deixado quando se ausentou de Corinto, após ser efetivada a implantação da Igreja do Senhor naquele lugar.

O dicionário explica o significado das duas palavras em negrito:

Jactância: Vanglória, soberba, arrogância.

Levedar:  Fermentar.

São Paulo viu os irmãos dominados pela vanglória, se gabando; sendo contaminados pelo fermento. Daí, ele  diz:

“...Alimpai-vos pois do fermento velho, para que sejais uma nova massa...”

Devido a tudo isso, Paulo estabeleceu regras claras sobre diversos comportamentos, inclusive as línguas que os irmãos falavam, como veremos no capítulo 14 e versículos, a seguir:

SEGUI a caridade, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar.  Porque o que fala língua estranha não fala aos homens, senão a Deus; porque ninguém o entende, e em espírito fala de mistérios.  Mas o que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação.” (1 Coríntios 14:1-2) 

Refletindo um pouco

Estaria o Espírito Santo se manifestando no meio dos coríntios naquelas circunstâncias? Com prostituição e tantas outras coisas carnais? Em meio a tanta bagunça?

Claro que não! Longe destas coisas!

Com a ajuda do Espírito Santo, Paulo procurou repreendê-los com brandura, sem, contudo, proibir alguns vícios, preferindo traçar diretrizes delineando como deveria se comportar o povo santo de Deus, naquele lugar.

Isto é incontestável, quando Paulo diz:

 “Porque ainda sois carnais. Pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois porventura carnais, e não andais segundo os homens?” (1 Coríntios 3:3)

Procurar os melhores dons para a edificação da igreja, diz Paulo

Assim também vós, como desejais dons espirituais, procurai abundar neles, para edificação da igreja.” (1 Coríntios 14:12)

A maioria da atualidade abre a sua bíblia, mas não pede discernimento ao Espírito Santo. Daí, não medita na palavra. Assim, da palavra de Deus quase não sabe. Ele prefere mesmo é seguir imitações, porque alguém faz e acha bonito. É coisa grande...,  porque não examina as escrituras, como nos determinou Nosso Jesus amado. (João 5:39)

Vejamos o que nos diz 1 Coríntios, capítulo 14, versículo 1:

“SEGUI a caridade, e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar.”

Aqui, São Paulo nos dá uma ordem; com brandura, dizendo:

“...procurai com zelo os dons espirituais...”

Uma ordem visto que o verbo procurar está no imperativo afirmativo: Procurai.

Diz o nosso dicionário, dentre vários significados, que imperativo é: “O que manda; Que dar ordem;”

Paulo diz que as línguas são para os infiéis.

“De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis” (1 Coríntios14:22)

Os fiéis estão, verdadeiramente, em Jesus, e Jesus neles, assim como nosso Jesus amado está no Pai e o Pai nEle. Amém!

A segunda carta de São Paulo aos Coríntios.

O homem de sabedoria carnal transforma os fiéis em infiéis.

Depois de tanta luta a fim de neutralizar a má influência dos irmãos da igreja de Corinto, São Paulo, ainda estava receoso de uma possível recaída daquela igreja, ao se expressar em 2 Coríntios, capítulo 11,versículo 3, dizendo:

“Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo.”

A sabedoria de Salomão diz em Provérbios, capítulo 16, versículo 25:

Há caminho que parece direito ao homem, mas o seu fim são os caminhos da morte.”

O Senhor Jesus – o Deus forte -, minutos antes de ir para o Pai, estando reunido com os seus 11 discípulos, depois de dizer “Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho a toda criatura”,  disse algo extremamente e importante para os que crêem.

Vejamos o que disse Jesus:

“E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; Pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e porão as mãos sobre os enfermos e os curarão.” (Marcos 16:17-18)

O homem tem crido? Há perfeição nas coisas que estão acontecendo já há algum tempo?

A maioria das igrejas da atualidade são bem parecidas com a Igreja decaída de Corinto.

Dicionário explica o significado das palavras seguintes:

Rogo: Quer dizer: Pedir por favor; suplicar; fazer súplica.

Vos: é o pronome de tratamento aos coríntios.

Dissensões: Diversidade de opiniões; Desavença, divergência; contraste.

Sublimidade: Qualidade do que é sublime. Excelência; perfeição.

Contendas: Questões; disputa; Luta, guerra.

Abundar: Existir, ter ou produzir em grande quantidade.  Estar cheio.