Criar um Site Grátis Fantástico
O CORDEIRO ABRE OS PRIMEIROS SEIS SELOS
O CORDEIRO ABRE OS PRIMEIROS SEIS SELOS

 

Como  já  vimos,  só  o  Cordeiro  romperá  os  seis  primeiros  selos,

conforme veremos descritos neste capítulo, ocorrendo, portanto,  os sete primeiros julgamentos, que entra em ação os acontecimentos do fim de todas as coisas.

Os julgamentos representam o juízo de Deus sobre os ímpios, cujo juízo vem com selos, trombetas e taças, iniciando-se com os selos.

Abertura de um dos selos

E, HAVENDO o Cordeiro aberto um dos selos, olhei, e ouvi um dos

quatro animais, que dizia como em voz de trovão: Vem, e vê.  E olhei, e eis um cavalo branco e o que estava assentado sobre ele tinha um arco; e foi-lhe dada uma coroa, e saiu vitorioso, e para vencer.” (Apocalipse 6.1-2)

Há um chamado: “Vem”, Seguindo-se “Vê”, levando o verbo para a terceira pessoa do singular do presente do indicativo com o sujeito oculto, pois os quatro animais chamaram João para ver um cavalo branco e o que estava assando sobre ele, que  tinha um arco, portanto, duas figuras:  1ª) o transportador irracional; 2ª) o transportado espiritual.

O pastor Elinaldo Renovato, no seu comentário, diz “Quando Jesus abre primeiro selo, tem lugar um evento de grande significado. Surge um cavalo branco, e, nele está  montado um personagem que “tinha um arco, foi-lhe dada uma  coroa, e para vencer” (Ap 1.2), Trata de uma falsa paz, tipificada  pelo cavalo branco. O personagem é o Anticristo, que enganará  as nações, sedentes de paz. Ele se assentará no templo em Jerusalém, dizendo-se Deus (2 Ts 2.4);  receberá  adoração (Ap 13.12); fará aliança com Israel por sete anos (Dn 9.27); implantará uma falsa paz, e será rompida na metade da Grande Tribulação: “|Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então, lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida; e de modo nenhum escaparão” (1 Ts 5.3)

Este capítulo do Apocalipse é um dos mais interessantes, pois dele depende  a   compreensão  de quase   tudo  o  que  virá   acontecer  sobre   as revelações de Jesus Cristo – o Filho do Homem.

Depois do cavalo branco e seu cavaleiro, surgirão mais três cavalos com os seus respectivos cavaleiros.

O comentarista explica que “...é como teremos de ver adiante, uma reafirmação de tudo o que o Senhor Jesus Cristo nos fala a respeito do fim nos Evangelhos. Há uma confirmação entre os relatos de Cristo sobre o fim, os relatos dos profetas Daniel, Joel e Zacarias e este capítulo 6 do Apocalipse.”

Abertura do segundo selo

Com o segundo selo, vem o juízo de Deus sobre a terra, conforme os versículos 3 e 4, do mesmo capítulo 6, descrevem:

 “E, havendo aberto o segundo selo, ouvi o segundo animal, dizendo: Vem, e vê. E saiu outro cavalo, vermelho; e ao que estava assentado sobre ele foi dado que tirasse a paz da terra, e que se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada.” (Apocalipse 6.3-4)

  i

João vê as coisas que hão de acontecer na terra – o mundo dos viventes -, visto que tudo é decidido pelo Deus Altíssimo.

            A visão do cavalo vermelho é o símbolo de guerra, e quem estava montado nele era o anticristo, sendo-lhe permitido tirar a paz da terra, matando-se uns aos outros. Uma grande espada porque alcançará a todos. Esta é uma das missões do anticristo, o qual faz tudo contrário à mensagem de Jesus na cruz (Lucas 23:34)

“Depois de três anos e meio, o Anticristo romperá  a  aliança e fará guerra a Deus e aos santos (Ap 13.7; Dn  7.25; Dn 9.27). E terá lugar a uma terrível guerra mundial...” – (O Final de Todas as Coisas, do Pastor Elinaldo Renovato)  

Abertura do terceiro selo

            E, havendo aberto o terceiro selo, ouvi o terceiro animal, dizendo: Vem, e vê. E olhei, e eis um cavalo preto e o que sobre ele estava assentado tinha uma balança na mão. E ouvi uma voz no meio dos quatro animais, que dizia: Uma medida de trigo por um dinheiro e três medidas de cevada por um dinheiro; e não danifiques o azeite e o vinho.” (Apocalipse 6.5-6)

            O cavalo preto representa desgraça, e tempo de muita angústia, seguindo-se fomes, inclusive com excessiva escassez de alimentos jamais visto.

            O comentarista diz  “O que uma pessoa podia ganhar em um dia de trabalho seria suficiente apenas para si mesma, e para ninguém mais, nem mesmo para sua família. Então, isto levaria a uma fome geral e alastrada, que será  outro resultado devastador da guerra.” 

            O correrá uma escassez de alimentos jamais  vista. Quem não tiver  o

sinal de Besta não poderá  comprar, nem vender. (Ap 13.17-18).

Abertura do quarto selo

O Cordeiro abrirá o quarto selo, quando João ouvirá a voz do quarto animal, que diráVem e vê.  E olhei, e eis um cavalo amarelo, e o que estava assentado sobre ele tinha por nome Morte; e o inferno o seguia; e foi-lhes dado poder para matar a quarta parte da terra, com espada, e com fome, e com peste, e com as feras da terra.” (Apocalipse 6.7-8)

O cavalo amarelo simbolizará  morte  em larga escala, em decorrência das desgraças constantes nos versículos 7 e 8, do mesmo capítulo 6. 

O que estava montado sobre o cavalo amarelo tinha o nome de  Morte, cuja missão era matar a quarta parte da terra, e o inferno seguia recolhendo  almas e espíritos  dos seus.

Morrerá a quarta parte da população mundial, cuja população até o dia

24 de fevereiro de 2020 é de 7.690.202.345 (sete bilhões, seiscentos e noventa milhões, duzentos e dois mil) habitantes, dividindo-se por um quarto, representa 1.922, 550 (um bilhão, novecentos e vinte e dois mil e quinhentos e cinquenta) habitantes morrerão neste julgamento.

Abertura do quinto selo

Na abertura do quinto selo, João viu debaixo do altar as almas dos que  foram mortos por amor à Palavra de Deus e por amor do testemunho que deram (Ap 6:9)

Depois da partida dos quatros cavalos, o Cordeiro abriu o quinto selo. Este selo apresenta as almas dos santos, que amaram a Jesus e guardaram os seus mandamentos (João 14.15); dos que creram em “um só Senhor, e uma só Fé...” (Efésios 4.5), e permaneceram firmes  e perseveraram na fé  em Nosso Senhor Jesus Cristo até o fim (Marcos 13:13).

As almas clamavam, dizendo: “Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?” (Ap 6:10)

            O clamor por vingança por parte dos mártires, contra os seus perseguidores, bem como os que perseguem os seguidores do Cordeiro.

Debaixo do altar também estarão as almas  dos santos, que foram perseguidos, martirizados e assassinados durante o governo do anticristo.

            O comentarista diz que “esta é uma oração imprecatória – uma oração  pedindo vingança contra os inimigos  de Deus. Assim como Davi tinha escrito salmos que pediam vingança contra os seus inimigos...” – Comentário ao Novo Testamento, Aplicação Pessoal.

Imprecatória: Semelhante a uma imprecação. Imprecação: Súplica veemente. (Dicionário  da língua portuguesa)

Às almas receberam vestes brancas e compridas, sendo-lhes dito que repousassem mais um pouco de tempo, até que também se completasse o número de seus conservos e seus irmãos que haviam de ser mortos como eles foram (Ap 6.11). Aqui, o Senhor Deus lhes dá recompensa e honra, vestindo-os de vestes brancas.

O pastor Elinaldo Renovato diz que “João deixa de ver animais e tem a visão de mártires que foram mortos na Grande Tribulação por sua fé em Cristo, por seu testemunho e amor à Palavra de Deus (Ap 6.9-11); eles são salvos em meio à Grande Tribulação. Não são a Igreja militante. Eles clamam por vingança contra os “que habitam sobre a aterra” (Ap 6.11)”

A abertura do sexto selo

Com o sexto selo vem a mão do Senhor Deus agindo com força, conforme  o capítulo 6 e seus versículos 12 e 13, descrevem:

E, havendo aberto o sexto selo olhei, e eis que houve um grande tremor de terra; e o sol tornou-se negro como saco de cilício, e a lua tornou-se como sangue. E as estrelas do céu caíram sobre a terra, como quando a figueira lança de si os seus figos verdes, abalada por um vento forte.”

“Vê-se um grande tremor de terra (global), eclipse total do sol; a lua ficará vermelha; as estrelas caem (meteoros); o espaço sideral se muda; os montes e ilhas são arrasados; os governantes da terra, os poderosos e os povos se escondem, clamando que os montes caiam sobre eles, por causa da “ira do cordeiro.” não se sabe quantos morrem nesse evento.” (Do pastor Elinaldo Renovato, autor do livro O Final de Todas as Coisas)

O senhor Nosso Deus, de há muito, tem anunciado pela boca dos Seus profetas as coisas que iriam acontecer antes do fim dos tempos.

No ano 800 antes de Cristo, Deus anunciou este avento do Apocalipse, capítulo 6, versículo 12, através do profeta Joel, como já vimos em texto anterior desta obra.

 Na continuação dos sermões proféticos, o senhor Jesus anuncia sinais assustadores, conforme Mateus, capítulo 24, versículo 29, descreve:

E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas.”

Alguns comentaristas dizem que estes sinais se cumpriram simultaneamente com o terremoto acontecido em Lisboa, no mês de novembro de 1755; Em meio de 1780, na Nova Inglaterra (EUA) e Canadá, o sol escureceu; A Lua em cor de sangue, no dia 19 de maio de 1780; e houve queda das estrelas, na noite de 13 de novembro de 1833.

Tal interpretação não tem fundamento, pois conforme vimos no versículo  capítulo  24,  versículo  29,  de  Mateus,   estas coisas ainda não se

cumpriram, pois os fatos citados foram localizados.

E o céu retirou-se como um livro que se enrola; todos os montes e ilhas foram removidos dos seus lugares.” (Apocalipse 6:14)

O sexto selo traz o juízo do Senhor Deus sobre a terra. Até então a Sua manifestação era localizada.

Hernandes Dias Lopes, no seu livro de comentário Apocalipse – o Futuro Chegou,  diz que “as portas da graça estão fechadas, é o dia da ira do Cordeiro.”

Certamente, não haverá mais arrependimento, e o juízo será sem misericórdia para os que não cumpriram as Sagradas Escrituras. O homem incrédulo vive enganado, pois mistura as coisas de Deus com às da carne. Lamentavelmente, o homem, que não examina as Escrituras (João 5.39), ouve e pratica as mentiras dos seus líderes religiosos.