Cap 103 A revolta da tropa
Cap 103 A revolta da tropa

 

              Com tantas ameaças, os oficiais - dos tenentes aos tenentes-coronéis - calaram-se, não obstante, a divulgação da assembléia continuava, sem cessar, no seio da tropa, que em nada mudara a sua posição.

Os praças revoltados acusavam os oficiais do alto comando de cruzarem os braços porque recebiam gratificações extras, levando-os ao surdimutismo antagônico à causa dos seus comandados.

Na quinta-feira,  dia 29,  às 9 horas, o coronel Mendonça fizera uma convocação para 8 oficiais que integravam uma comissão sob a sua presidência, no Clube dos Oficiais da PM. E para surpresa dele, lá não compareceu ninguém, os quais alegaram a opressão no interior do Quartel do Comando Geral.

A oficialidade estava apavorada. Os oficiais faziam filas, diariamente, para falar com o subcomandante, que não abria mão de suas ameaças. Tudo em nome das gratificações.

Teve oficial que, chamado à presença do comandante Luiz Pereira, mudou até de religião. Aderiu à religião do comandante: O PROTESTANTISMO. E segundo o zunzunzum dentro do quartel, o comandante só sabia dizer:

“Vamos orar!... Vamos orar!... Vamos orar, né"!!...

Enquanto o alto comando promovia as suas ameaças, os meios de comunicação  divulgavam  a  assembléia  geral  do  dia 1º de maio, às 14:00 horas, no Clube Tiradentes. E, em cada nota divulgada era confirmado o aquartelamento na segunda-feira.