Wordpress, Prestashop, Joomla, Drupal e outros com Domínio e Certificado Grátis
Cap 44 O grupo renovador
Cap 44 O grupo renovador

 

              Apesar das terríveis dificuldades e sem nenhuma esperança de melhores condições de vida, um grupo de policiais militares com o pensamento voltado aos interesses comuns dos irmãos de farda e apoiado pela Assistente Social da corporação, Maria das Dores Costa, fundou o Grupo Renovador, que teve como membros o tenente José Freire Sobrinho, os sargentos Gil Xavier de Lucena, José Neris  Sobrinho, Fernando Dantas, José Eustáquio de Morais, Júlio Ribeiro da Rocha, soldado Paulo, outros oficiais e praças cujos nomes me fogem à memória.

Das reuniões do Grupo Renovador participavam, quando convidados, o Coronel Luciano, e o Capitão Capelão Padre Manoel Barbosa de Vasconcelos Filho.

Luciano era muito vaidoso, quando  se sabia administrar, habilmente, um entendimento com ele. Os integrantes do grupo foram reconquistando a confiança do velho comandante com o objetivo de criar nele novos conceitos na busca de uma solução para os problemas  gravíssimos que envolviam a Polícia Militar.

Aos poucos e com muita cautela, o Grupo Renovador foi levando sugestões ao coronel comandante, nas quais estavam incluídas as  questões salariais.

Entretanto, no que se referia aos vencimentos da tropa, suas respostas jamais foram satisfatórias e  sempre as mesmas:

“Falei com Aluízio, ele disse-me que vai estudar”.

Apesar da intranqüilidade dentro da corporação, muitas idéias boas foram aproveitadas do grupo, dentre as quais destacamos a exploração do Sítio Rocas de propriedade da Polícia Militar, que se localizava às margens da estrada Natal-Redinha e do Rio Potengi.

Na nossa proposta, constava a fundação de uma cooperativa que seria administrada por uma comissão constituída por membros do Grupo Renovador, a qual cuidaria da ampliação do projeto, mas o comandante preferiu designar um policial militar totalmente alheio aos nossos desejos.

Através daquele programa tivemos a satisfação de vermos muitos policiais militares levarem frutas, verduras e peixes para os seus lares, a fim de saciarem a fome dos filhos; tudo a baixo custo. Esse privilégio, porém, não foi cultivado pelos comandantes seguintes da corporação, causando uma tremenda falta na mesa de muita gente.