Criar uma Loja Virtual Grátis
Cap 91 Procuramos o comandante
Cap 91 Procuramos o comandante

 

               Com aquela franqueza do coronel Luiz Pereira, tudo nos levaria a crer que teríamos o seu apoio na nossa pauta de reivindicações que já estava pronta, a fim de apresentar ao governo do estado, por intermédio dele.

Convoquei os subtenentes e sargentos à associação, sendo minha proposta de reajuste salarial discutida e aprovada. Constitui uma comissão sob a minha responsabilidade e fomos ao comando na certeza de que ele iria ao governador buscar uma solução plausível, já que ele demonstrava haver se transformado ao retornar da convenção dos comandantes.

O coronel Luiz nos recebeu divinamente bem no seu gabinete com ar condicionado, garçom para servir chá, cafezinho e refrigerantes. Fantástico...! Fenomenal!.... Nota 10!!

O coronel Dantas, subcomandante, foi convocado pelo comandante, para assistir a nossa conversa.

Apesar de tanta gentileza com os permanentes serviços de garçom, o coronel Luiz era muito devagar quando o assunto se referia aos nossos vencimentos e dependendo de ir falar com o governador. Para acabar de acertar, existia um membro da comissão que não parava de dar razão ao comandante, deixando-o se deleitando.

Foram mais de duas horas de conversa com o comandante, que em nenhum momento externou uma posição firme em defesa dos salários de seus comandados. Parecia até que nós estávamos reivindicando uma coisa totalmente impossível. Concluindo, perguntei:

  • Senhor comandante, a situação não é mais de esperar. Quando é que o senhor vai ao governador?
  • É!!... Numa oportunidade...né! num namoro!!... O comando!... Fala com o governador, né.

Dantas tomou a palavra dizendo que o estado vivia em dificuldade financeira e não podia dar o que nós estávamos pedindo. Dava a entender que ele seria alguém da área econômica, e saberia quanto o estado arrecadava.

O coronel Dantas teria mais do que razão se ele e os demais coronéis do alto comando não recebessem altíssimas gratificações de cargos de confiança, bem acima dos seus vencimentos, que somando tudo, nadavam num mar de mordomia, tornando-os seus reféns e ficavam de bocas caladas, enquanto toda a tropa vivia “a ver navios”. Coronéis amigos...!? Mui amigos!!...