Wordpress, Prestashop, Joomla, Drupal e outros com Domínio e Certificado Grátis
Capí 12 Na fazenda Pitombeira
Capí 12 Na fazenda Pitombeira

 

Luiz, filho de compadre Zeca, que era afilhado do meu padrinho João Horário, foi me ajudar nas obrigações diárias. A rotina, porém, em nada mudou. Padrinho João Horácio chamou Zeca, ao qual ordenou:

  • Compadre, amanhã, às 4 horas da madrugada, você venha aqui para ir com Júlio à Vera Cruz, que é para ele aprender o caminho e ir só.
  • Mas, esse menino? Ele vai sozinho!?
  • Sim, esse mesmo. Tem alguma coisa errada, compadre?
  • Não, meu compadre. Claro que não! Mas, é uma légua de distância e Júlio é uma criança!
  • È não, meu compadre; Júlio já é um homem. Não troco ele por certos homens.

Zeca, que aprendera com o seu compadre João Horácio a chegar antes da hora, levantou-se às três e meia e foi ao cercado apanhar a égua malhada e o jumento roxinho. Colocou as cangalhas e quatro barris nos animais, e foi até à porta da casa de padrinho João.

  • Compadre!... Compadre!... Compadre!... É Zeca. Estar na hora.
  • Já vou, compadre. Júlio!... - emendou meu padrinho aos gritos.
  • Inhô, padim!... Gritei já pulando da rede.

Desarmei minha rede e calcei as alpargatas de rabicho. Padrinho João, que já se encontrava na sala,  conversava com Zeca enquanto acendia um candeeiro grande feito de zinco e pavio  grosso de algodão. Aproximei-me dos dois.

  • Minha benção, padim!...
  • Deus lhe faça feliz, meu filho.
  • Podemos ir, compadre? - perguntou Zeca.
  • Claro, compadre. Pode! Vão com Deus.
  • Amém!! – respondeu Zeca.

Zeca montou-se no meio da carga da égua, e eu na do  jumento. E seguimos dentro da mata, por uma vereda estreita chega os ramos do mato roçavam nos barris. Zeca não dava uma palavra.  Não tardou, todavia, ouvirmos o cantar horroroso das corujas e o uivar das raposas, que não paravam de marcar presença,  passando sem parar de um lado para outro. A mãe-da-lua também marcou presença, porém, não se atrevendo como os dois últimos e preferiu ficar  de longe, com o seu arrastado cântico.

A barra ia quebrando, quando chegamos ao povoado de Vera Cruz. Seguimos a sua rua principal. Zeca entrou numa vereda, que lateralmente se limitava por duas cercas de arame farpado. Bem no pé de uma mata fechada e escura de arrepiar existia um grande poço com bastante água de vertente.

“É aqui” - disse Zeca.

Zeca saltou do animal. Aproximou-se do jumento querendo me tirar do meio da carga, mas pulei para a garupa do burro, e mais rapidamente para o chão, o qual nem me tocou. Cada um tirou os seus barris;  Zeca com um funil e uma lata os encheu. Depois, com a minha ajuda, colocou-os nos animais. Foi tudo muito rádido!

Andando mais lento, retornamos. O clima era gostoso diferente daquele que estorricava qualquer vida no sertão. Com aquele aroma suave que fluía das flores dos cajueiros, das mangueiras e outras árvores nos dava uma sensação de bem-estar, num convívio tranqüilo, que nos proporcionava a natureza.

Ouvimos o  sinal de que nos aproximávamos da casa de meu padrinho; foi o mugido da vaca asa branca no curral da casa grande, que todos as madrugadas, exatamente ao quebrar da barra, dava de dois ou três mugidos. Coisa de vaca!...

“Chegamos”! – disse Zeca.

Descarregamos os barris. Retiramos as cangalhas dos animais. E fui deixá-los no cercado de pastagem que ficava pertinho.

Padrinho João começara a tirar o leite das vacas, entretanto, não era bom tirador  diante do seu compadre Zeca; este foi ao curral feito de catanduba e mourão de pau d’arco, que substituía os de mororó do sertão, e assumiu o seu lugar de tirador-mor, enquanto padrinho João deixava o seu lugar-tenente.

Na casa de farinha à manual, chegavam os forneiro, prenseiro, moedores, tiradeira de goma,  raspadeiras de mandioca, peneradeira de massa e secadeira de crueira e goma.    Bem perto dali, num imenso roçado, os arrancadores de mandioca davam início ao seu trabalho.

Eu e Luiz de compadre Zeca fomos ao cercado. Encabrestamos quatro jumentos, nos quais colocamos cangalhas e caçoais. Pronto! Os animais estavam equipados.

 Nossa tarefa, a partir daquele dia, além das de rotina, era carregar mandioca para a casa de farinha no lombo dos animais.

Perto de uma hora da tarde a tarefa daquela manhã somava dez carregamentos. As raspadeiras, esparramadas ao redor daquela grande ruma de mandioca, não davam vencimento.

Escutei um grito:

“Ô,  Jú...li...o!!...”

Era padrinho João. Ele só me chamava arrastando as sílabas. Mas eu nem gritava respondendo. Eu saia calado. E se estivesse longe, saia correndo. E ele gritando:

“Ô,   Jú...li...o!!...”

Sai correndo da casa de farinha, e sem responder - como sempre. E ele gritando:

“Ô,  Jú...li...o!!..."

E  eu já por trás dele e bem pertinho, respondi:

“Inhô, pa...dim!!...”

Assustei-o! Virou-se para mim com uma cara de quem não gostara. Desculpei-me.

  • Foi sem querer, padim!
  • Meu filho, quando eu lhe chamar, você me responda! Vá ao roçado e diga ao compadre Zeca que traga os trabalhadores para o almoço.
  • Sim, sinhô, padim.

Àquela hora, Antônio forneiro - como o era conhecido Antônio de  Chico Guedes - preparava a sua quarta fornalha de farinha de primeira qualidade, que ia sendo armazenada em grandes sacas de palha de carnaúba, guardadas num dos imemsos quartos da casa grande.