Criar uma Loja Virtual Grátis
Cap 49 Estelito forçado a pedir baixa
Cap 49 Estelito forçado a pedir baixa

 

           Após ser posto em liberdade, Miguel Estelito passou a ser vítima de permanentes perseguições - coisa que se fazia muito bem na corporação.

Reiteradas vezes ele foi chamado pelo oficial de gabinete do comando geral, que lhe entregava um documento devidamente datilografado para assiná-lo requerendo a sua baixa das fileiras da Polícia Militar. O sargento, contudo, se recusava fazê-lo. O oficial, sem êxito, comunicava ao seu comandante que o sargento Estelito se negava a assinar o documento. Depois de várias tentativas sem sucesso, o mesmo oficial de gabinete, por determinação superior, mandou chamá-lo  e com o dito requerimento nas mãos, foi explícito:

“Assine aí, doutor!! Ou você assina, ou será expulso da Polícia! Escolha!!...”

O sargento recusou-se assiná-lo. Ele, que não tinha outro meio de vida, e pai de família, resistia em não assinar o tal requerimento. As pressões dos que chaleiravam o comandante não lhe davam folga. Todo dia, Miguel Estelito estava enfrentando uma verdadeira prova de fogo, pois na corporação existia muita gente que, a fim de agradar a quem estava no comando, vendia até a sua alma ao diabo.

O maior receio de Miguel Estelito era o de ser expulso. A expulsão, à época, causava pavor. Era um ato triste e perverso. Horroroso! Deprimente! Colocavam o expulso em frente à tropa formada. Sua farda era rasgada, deixando-o só de cueca, enquanto a tropa, obedecendo a um comando dado através do toque de cornete, virava-lhe as costas e a banda de corneta repinicava, melancolicamente, os seus taróis. E, o cidadão saia escoltado para ser entregue à Chefatura de Polícia, que depois virou Secretaria de Segurança Pública;  Secretaria de Defesa Social; e mudou de nove para Segurança Pública e Defesa Social. 

 O cidadão expulso da PM seria fichado pela Chefatura de Polícia como mau elemento, e conseqüentemente impedido de conseguir um emprego ou fazer concurso público durante dois anos.  E Ainda ficava preso injustamente por alguns dias ou semanas.

Estelito temia ser vítima dos atos bárbaros praticados à sanha da lei. Sem nenhum respeito ao sentimento humuno.

Oh, que coisa cruel!

O oficial de gabinete, contudo, não desistiu. E seguindo ordens expressamente severas, mandou chamar o sargento Miguel Estelito, asseverando-lhe:

“O comandante não quer nem lhe vê. Assine aqui este requerimento e não diga nada, caso contrário, você será expulso amanhã. Assine!!...”

Não teve outra alternativa para o sargento, que assinou o requerimento, sendo submetido, de maneira desumana à tamanha injustiça.

O coronel Luciano enfrentando a pressão dos sargentos e a insatisfação da tropa, esqueceu-se de mandar publicar a baixa do sargento Estelito no boletim da caserna, ocorrendo um retardamento de meses.