Cap 168 Intervenção no partido
Cap 168 Intervenção no partido

 

                 Da maneira como o processo político estava sendo conduzido pelos dirigentes do partido, eu iria enfrentar uma campanha e já estaria com a derrota sacramentada, pois, a minha pretensão era que fosse feita coligação com o PSB - partido da Prefeita Wilma de Faria -, contando com o apoio da nacional do PRTB, porém, a evidência dos fatos conduzia-me a um destino político adverso.

O partido tomava um rumo totalmente contrário à pretensão da nacional,  razão  que  me levou a pedir intervenção na sua Regional do Rio Grande do Norte. O tempo foi passando e nada da nacional tomar suas medidas, apesar do meu constante contato com o doutor José Felix Levi, presidente nacional.

Finalmente, veio à Natal, o doutor Sérgio Fialho, representante do doutor Levi, com tudo pronto para intervir no partido, todavia, tarde demais vez que no dia que ele chegou, estava acontecendo a convenção do partido, tendo-me como o único candidato a deputado estadual, não obstante, o partido poderia ter lançado 36 candidatos, coligando-se na proporcional com o PT do B, que contava com 19 candidatos, mas para governador fazia coligação com a unidade popular,  cujo  candidato a reeleição era o doutor Garibaldi Alves Filho, ferindo, destarte, todos os princípios éticos de uma agremiação partidária genuinamente oposicionista.

O partido da prefeita já havia fechado coligação com outros partidos, e não existia opção, tendo em vista que o PRTB, a fim de me golpear,  deixara para fazer a sua convenção nos  últimos dias.

Nós nos reunimos com o doutor Fialho, e achamos conveniente não concretizar a intervenção, pois, se a fizesse, eu não sairia nem candidato. E tive que aceitar aquela situação constrangedora.